MADEIRA Meteorologia

Teleférico Curral das Freiras: IL realça que PAN omitiu que contrato para a concessão do já estava assinado

JM-Madeira

JM-Madeira

Data de publicação
26 Outubro 2023
16:39

O contrato para a concessão do teleférico do Curral das Freiras foi trazido à baila pela IL, evidenciando que o PAN "não devia assobiar para o lado como se não fosse parte da equação".

Em nota endereçada às redações, a IL diz que a deputada eleita pelo PAN "omitiu que sabia que o contrato para a concessão do teleférico do Curral das Freiras já estava assinado". Isto, já numa fase em que a composição da ALRAM estava estabelecida e bem depois da negociação do acordo de incidência parlamentar entre o PAN e o PSD/CDS.

"Em debate na RTP Madeira, a deputada eleita pelo PAN, omitiu que sabia que o contrato para a concessão do teleférico do Curral das Freiras já estava assinado. Reconheceu que o sabia, no início desta semana, depois desse ato se ter tornado do conhecimento público. Não se pergunta o PAN do comportamento dos seus, agora, "compagnons de route"? Bem sabemos que quem assinou o contrato foi o Presidente do IFCN e não um membro do Governo Regional. Mas alguém tem dúvidas de que Manuel Filipe só assinou, porque para tal foi instruído pela sua tutela?", é questionado.

"Não se pergunta o PAN se um governo, que se encontra em gestão, pode assinar a concessão do parque de teleféricos? Não se pergunta se o regime de gestão se aplica apenas aos membros do GR ou também aos presidentes dos institutos por eles nomeados?

Não se pergunta por que raio é que foram os promotores (Governo Regional) a desenvolver todos os procedimentos administrativos e todos os estudos? E a compra dos terrenos? E das infraestruturas (acessos e estacionamentos; rede de águas, esgotos e energia elétrica)?

Não se pergunta que raio de utilidade pública há numa expropriação e empreitada de 36 milhões de euros, que se limita a uma contraprestação de pequeno valor? Uns meros 2000€ mensais x 12 meses x 50 +10 anos = 1 440 000€? Uma coisa que tem um valor, hoje de 36 000 000€, vai render, grosso modo, ao fim de 60 anos menos de 1,5 milhões?

O mínimo, num regime decente e ignorando o rocambolesco processo de adjudicação de um concurso com este nível de justificada polémica a 4 dias das eleições, é que as coisas fiquem claras - o PAN pode opor-se a este acordo e assumir que, a existir um custo financeiro a pagar pelo recuo em relação ao inacreditável teleférico do Curral, esse é inferior aos prejuízos que causa agora ou causará no futuro. Ou pode apoiar esta solução e defender que este é um custo político do acordo que assinou agora e que trará maravilhosos benefícios para as suas causas no futuro.

O que não devia era poder assobiar para o lado como se não fosse parte da equação.

Agora é preciso escolher, e as escolhas têm consequências. Aliás, esse é um princípio que é transversal a muitas das causas (se não todas) que o PAN defende - o impacto financeiro imediato é compensado pelos ganhos a prazo para a humanidade, e os animais, até que, a julgar por este exemplo, de repente deixa de ser. Resta saber a troco de quê", expõe a Comissão Coordenadora da Iniciativa Liberal Madeira.

OPINIÃO EM DESTAQUE

88.8 RJM Rádio Jornal da Madeira RÁDIO 88.8 RJM MADEIRA

Ligue-se às Redes RJM 88.8FM

Emissão Online

Em direto

Ouvir Agora
INQUÉRITO / SONDAGEM

Há condições para o Orçamento da Região ser aprovado esta semana?

Enviar Resultados

Mais Lidas

Últimas