MADEIRA Meteorologia

PAN fez levantamento de problemas e queixas no concelho da Ribeira Brava

JM-Madeira

JM-Madeira

Data de publicação
18 Agosto 2022
10:55

O PAN continuou, esta semana, o seu Roteiro de Verão na Ribeira Brava, onde esteve em contacto com população, ouvindo as suas preocupações.

Segundo informou uma nota enviada à redação, o primeiro ponto de paragem neste concelho foi a freguesia do Campanário, onde o partido afirma ter ouvido várias queixas sobre a "falta de parque infantil, algo que vem a ser reivindicado pela população há muito tempo".

"Tendo em conta a baixa natalidade no Concelho da Ribeira Brava, o PAN Ribeira Brava considera que é imperiosa criar incentivos e estruturas para fixar e atrair população. Apostaríamos sem dúvida na criação de espaços de lazer - parque infantil - espaço de atividade física - parque de convívio intergeracional - de modo a proporcionar às famílias qualidade de vida assente em bons momentos de convívio", sugere o PAN, que destacou ainda a falta de ecopontos naquela localidade.

De acordo com o partido, esta é "uma lacuna transversal ao concelho", tendo por isso apresentado esta situação à presidência da Câmara local.

"Ouvimos da população vontade em separar o lixo, contudo não existindo ecopontos disponíveis para as colocações desse lixo o PAN Ribeira Brava lança o apelo à Câmara Municipal que invista na criação de ecopontos, tratando-se de uma questão ambiental urgente e da vontade das populações deste concelho", pode ler-se na mesma nota.

Já no sítio do Lugar da Serra, "a população queixou-se maioritariamente dos problemas de alcoolismo e drogas que afligem as famílias locais". Perante tal situação, o partido sugere a existência de psicólogos no Centro Comunitário ali existentes, gerido pelo Instituto de Segurança Social da Madeira, para que fosse possível levar um apoio mais dito à população que "apenas o centro de saúde da Ribeira Brava como alternativa, a uma enorme distância, num concelho que tem como problema o serviço de transportes públicos".

Rumando até à baixa do concelho, na freguesia da Ribeira Brava, as preocupações dos residentes, ressalta o PAN, "centravam-se no desvio de pessoas do centro da vila, que afetam os negócios aqui instalados e a injusta distribuição de apoios sociais, havendo relatos, pelos munícipes, que a Câmara oferece esses mesmos apoios a quem de facto deles não precisa, excluindo tantas vezes destes aqueles que verdadeiramente necessitam de apoio". Neste sentido, o partido defende maior rigor na distribuição destas ajudas sociais.

Quanto às freguesias da Tabua e Serra d´Água, o PAN-Ribeira Brava recorda que estas localidades perderam bastante população nos últimos anos, agravando o risco de envelhecimento demográfico e abandono rural.

No entanto, "apesar de algum apoio social existente na freguesia da Tabua, esta tem-se desenvolvido essencialmente por privados, os mesmos são manifestamente insuficientes para cobrir as necessidades da população, principalmente ao nível da saúde, enquanto que na Serra de Água o "investimento municipal tem sido quase inexistente, deixando a população residente à sua mercê, principalmente no apoio à recuperação dos campos agrícola e respetivos acessos", "sendo este um anseio das populações principalmente nos sítios do Boqueirão e da Rocha Alta"

Aos olhos desta concelhia, "tudo isto são razões para a população mais jovem não se sentir minimamente atraída por ficar, nem sequer se interessar pelo setor agrícola caraterizado pela dureza do trabalho, pela burocracia e demora, que tantas dificuldades criam no acesso a apoios financeiros".

A tudo isto junta-se ainda reivindicação do PAN para que o município se chegue à frente na prestação de serviços públicos essenciais, como levar o saneamento básico às zonas altas da freguesia e proceder à limpeza das veredas e à recolha do lixo de forma mais amiúde.

Fazendo um balanço desta iniciativa naquele concelho, o partido fala na Ribeira Brava como "concelho empobrecido e envelhecido, com sucessivas falhas na recuperação e revitalização do seu território, onde na área ambiental é notória a falta de um planeamento de conservação eficaz".

E continua: "O PAN Ribeira Brava considera um problema a existência de tão grande eucaliptal nas serras do concelho - defendendo a sua mudança por espécies autóctones, pois se assim não for, por ação da diminuição da quantidade de chuva (consequência das Alterações climáticas) poderemos ter de volta os incêndios. O fraco planeamento dos jardins municipais, escolhendo mal os sítios onde plantar e a insistência em relva leva a um maior custo financeiro nas suas manutenções. Os últimos dragoeiros em estado selvagem que deveriam ser protegidos, promovidas que são emblema do município estão esquecidos, ou até mesmo têm sido abatidos", adita ainda.

No entender do partido, os governantes da Ribeira Brava continuam "demasiado focados na vila", criando assim "um concelho díspar e desconecto".

"Parece impossível que existam freguesias deste município que nem um ponto de multibanco possuam. Sem qualquer coordenação ou visão estratégica para este concelho, que deveria ser bandeira do que melhor a Madeira tem para oferecer, conclui-se que o falhanço no setor social, ambiental e patrimonial é evidente e que este tem afastado os jovens das suas freguesias, do concelho e em demasiados casos da Madeira. Esta partida de jovens, apenas não é muito mais grave graças aos nossos compatriotas que que em boa hora têm regressado da Venezuela", remata, considerando que a Ribeira Brava pode inverter a tendência atual de envelhecimento e diminuição da população se apostar "no desenvolvimento sustentável e na melhoria da qualidade vida".

Redação

OPINIÃO EM DESTAQUE

88.8 RJM Rádio Jornal da Madeira RÁDIO 88.8 RJM MADEIRA

Ligue-se às Redes RJM 88.8FM

Emissão Online

Em direto

Ouvir Agora
INQUÉRITO / SONDAGEM

Há condições para o Orçamento da Região ser aprovado esta semana?

Enviar Resultados

Mais Lidas

Últimas