Madeira devia valorizar mais a sua biodiversidade, diz diretora do Museu Nacional de História Natural

A Madeira devia “valorizar ainda mais a sua biodiversidade”, considerou, esta tarde, a diretora do Museu Nacional de História Natural e da Ciência, Marta Lourenço, nas breves palavras deixadas aquando da inauguração da exposição ‘As Plantas na Primeira Globalização’.

“A Madeira já valoriza, mas eu acho que ainda podia valorizar mais, toda esta dimensão, seja mais científica, seja mais aplicada, das plantas, da botânica e, em geral, da biodiversidade, que é uma das razões para as pessoas visitarem a Madeira, acho eu”, sublinhou a responsável, que teceu ainda rasgados elogios ao Jardim Botânico da Madeira.

“Esta ilha tem também espaços culturais científicos magníficos, o Jardim Botânico, que eu já disse centenas de vezes hoje, é dos mais bonitos do mundo”, enalteceu, dando como outro exemplo o Museu de História Natural.

Já sobre a mostra, que é promovida pela Ordem dos Engenheiros e foi organizada com o apoio do Museu Nacional de História Natural e da Ciência (entidade proprietária da exposição), da Universidade de Lisboa, em parceria com a UMa, CEHA, Instituto das Florestas e Conservação da Natureza, Direção Regional de Agricultura, IVBAM e Direção Regional do Arquivo e Biblioteca da Madeira, Marta Lourenço adiantou a disponibilidade do Museu: “contem connosco para mais colaborações”.