Muito humor na receção do elenco de ‘Cartas de Fora’ no Palácio de São Lourenço

Sofia Lacerda

O representante da República não se fez rogado na receção do elenco de ‘Cartas de Fora’, que decorreu, esta tarde, no Palácio de São Lourenço, e colocou duas condições para voltar a entrar num filme, depois de ter interpretado um médico no filme madeirense.

“Primeiro, o ‘cachet’ fica o mesmo. Segundo, preciso de, pelo menos, três minutos de filme e não 30 segundos”, afirmou, de forma categórica, rematando que “só com esta promessa é que esta receção pode continuar”.

As ‘imposições’ foram recebidas com muitos risos e o realizador Luís Miguel Jardim respondeu ‘à altura’: “sim, no próximo [filme], quem sabe até terá seis minutos, em vez dos três, e em vez de uma receção teríamos duas”.

A resposta foi pronta. “Não é preciso exagerar”, gracejou Ireneu Barreto, que fez, depois, questão de homenagear o produtor, realizador e guionista, “pelo que tem feito, não só os filmes em si, mas as mensagens que os filmes têm traduzido, para mostrar uma realidade que estava, provavelmente, esquecida, aqui na Região”.

“E isso penso que é mérito seu e todos nós, que o admiramos, estamos muito contentes com o sucesso que o filme tem tido”, regozijou-se.

O representante da República disse ainda esperar que Luís Miguel Jardim não fique “a dormir à sombra do sucesso. Continue, porque tem muita coisa a dar, a nós, à Região, e nós também merecemos isso, porque temos uma grande admiração por si”, acentuou.

O visado agradeceu todo o reconhecimento que esta obra tem tido, a vários níveis: “temos sido reconhecidos em termos de público, fizemos nove Casinos e é emocionante ver 700 pessoas lá dentro e já por várias vezes isso aconteceu”, lembrou.

“Tivemos também um excelente ‘feed-back por parte do Governo, do poder local, neste caso da Câmara Municipal de São Vicente, e agora o reconhecimento de um representante de um órgão de soberania, que é o representante da República”, num gesto que louvou.