Festival ART'Camacha arrancou esta sexta-feira

A trigésima edição do Festival ART'Camacha arrancou esta sexta-feira, com a assinatura do protocolo entre a Casa do Povo da Camacha e a Federação Portuguesa de Clubes UNESCO, com a presença de Aires Carvalho, presidente da Federação Portuguesa de Centros e Clubes UNESCO e Anna-Paula Ormeche, responsável pela rede Portuguesa de Clubes UNESCO, informa a organização em comunicado.

Este foi, como dito pelo Presidente da Casa do Povo da Camacha, um desafio mas também um ponto de partida, para que efetivamente possa ser criado um Clube UNESCO, com foco na cidadania, de forma a defender todo o Património da vila da Camacha, desta que é ‘a nossa génese e a nossa alma’, acrescenta a mesma fonte.

Na nota de imprensa, lê-se ainda que logo após, as entidades oficiais, subiram ao palco para a sessão de abertura, destacando-se a forma emotiva como o Presidente da Casa do Povo realçou a grandeza do Festival pela dinamização cultural contínua dos grupos da Camacha e o anúncio do secretário regional Humberto Vasconcelos, do reforço em 50% do apoio financeiro ao evento.

Mais informa que a finalizar a cerimónia, a Casa do Povo homenageou a equipa de futebol sub-10 pela conquista do Torneio Braga Cup e as Júniores de andebol pelo vitória no Torneio Internacional da Maia, ambas equipas da Associação Desportiva da Camacha. A nível individual, o lançador de martelo Décio Andrade, Campeão Regional e Nacional, para além de Campeão Universitário nos Estados Unidos.

Quanto a música, a Banda Paroquial de São Lourenço marcou início das comemorações do 46º Aniversário com concerto, mostrando o trabalho que tem vindo a ser desenvolvido em repertório variado.

Em seguida, uma vez mais com a 'prata da casa' subiu ao palco, Márcio Amaro, artista Camacheiro que tem vindo a partilhar a sua voz pela diáspora e que nesta noite apresentou o seu mais recente tema "Um Lugar para Nós" com a participação de Diana Quintal.

Também oriundos da Camacha, seguiram-se os ‘Forgotten Roads’. projeto de originais com uma sonoridade de elevada qualidade e muita criatividade. O primeiro dia de festival culminou com o Camacheiro DJ AzZ.

A organização antevê que o dia de domingo se inicie com uma conferência e apresentação de obra literária ‘A proverbialidade na narrativa de José Saramago: o recurso proverbial em reforço da identidade do ser humano’, da autoria de Filipe da Conceição Pires;

No palco, será uma tarde diversificada, com danças do ‘Mini CCN’ e ‘Power Dance’, depois a ‘Dança Sénior da CPC’, as vozes do ‘COro EB1PE Santo Condestável’ e o folclore do Grupo de Romarias Antigas do Rochão.

Acrescenta que a terminar uma tarde o tradicional e incontornável despique, com vários tocadores e cantadores bem conhecidos da Camacha.

A noite de domingo está reservada para o fado.

O Fado, 'a expressão em arte da emoção vivida', sobe ao palco do ART'Camacha no domingo, dia 11, pelas 21h30 acompanhado pelo Grupo de Fados da Camacha e pelo Fado das Quinas.

Este primeiro grupo da 'casa' atua desde 1993 neste Festival, convidando fadistas da Camacha bem como músicos e fadistas fora da terra. Para esta edição foi convidada a participação de algumas vozes como, Adelino Silva, Neuza Barreto e Elia Gouveia e uma convidada especial Sofia Ferreira. A acompanhar contamos com Hélder Caldeira na Guitarra Portuguesa, Emanuel Faria na Viola de Fado/Craviola e Pedro Marques na Viola Baixo.

Mais refere a organização que o Fado das Quinas, integra cinco elementos oriundos de diferentes géneros musicais, e juntos fundiram as sonoridades dos seus instrumentos adicionando ao tradicional fado ritmos dos 4 cantos do mundo. Este por ser um dos géneros menos ouvidos pelos jovens, este grupo apresenta temas para todos os gostos musicais, tendo como objetivo agradar todas as faixas etárias com temas desde hiphop, samba, dixi, rock e muitos mais mantendo sempre o fado como base, e nunca esquecendo as suas raízes e poemas retirados do baú.