JP Simões encerra 'MUDAS.HOTSummer' em setembro

Catarina Gouveia

O projeto ‘MUDAS.HOTsummer’ está de volta para a sua terceira temporada, com um programa de atividades a ter lugar no Museu de Arte Contemporânea da Madeira entre julho e setembro.

O programa foi hoje apresentado no MUDAS, sendo que a programação para esta edição aposta na continuidade do projeto desenvolvido nos anos anteriores, com o objetivo de fidelizar públicos e criar hábitos de visita ao museu.

Na ocasião, a secretária regional do Turismo e da Cultura, Paula Cabaço, sublinhou que “os grandes objetivos deste projeto, nesta junção de programação, que alia outras artes, nomeadamente, música, cinema, teatro, dança contemporânea, às artes plásticas, bem como na realização de oficinas criativas, workshops, visitas ao museu, passam, sobretudo, por manter e evoluir a dinâmica cultural do MUDAS, fidelizando públicos e contribuindo para chamar mais pessoas ao museu, sendo, igualmente, um importante contributo para a descentralização cultural, para a aproximação à comunidade dos espaços culturais, que tem sido uma das prioridades, um dos principais eixos da política cultural do Governo Regional.”

Entre os vários destaques na programação apresentada, está o encerramento a cargo de JP Simões. Apresenta-se no MUDAS a 28 de setembro, às 21h00, num concerto com registo acústico, sendo possível ouvir-se temas como ‘Inquietação’ e ‘Lenda do Homem Pássaro’.

O ‘MUDAS.HOTSummer’ arranca oficialmente a 13 de julho, com um concerto da artista brasileira LABAQ, uma das vozes emergentes do panorama da música ‘indie’ brasileira, que irá apresentar na Calheta o seu novo álbum LUX. Atua às 21 horas.

O programa engloba também outras iniciativas como teatro, exposições, apresentação de curtas, oficinas de expressão plástica, cinema infantil, visitas encenadas, sessões de conto e visitas concerto.

Paula Cabaço destacou ainda, na apresentação, que, ao longo dos últimos três anos, o MUDAS tem sido palco constante para música, artes plásticas, teatro, cinema e muito mais, o que tem refletido no sucesso junto do público, que tem aumentado. “Entre outubro de 2015 e dezembro de 2018, o MUDAS registou 52.547 visitas. Foi, aliás, em 2018, o museu que mais cresceu na Madeira, ultrapassando, pela primeira vez, as 20.000 visitas, praticamente o dobro das registadas em 2016”, afirmou.