Projeto 'Dar a Ver' arranca sexta feira com a terceira edição

Museu da Quinta das Cruzes foi o local escolhido para retomar a iniciativa

Arranca esta sexta e sábado, no Museu Quinta das Cruzes, as primeiras duas conferências que marcam o início da III edição do projeto de divulgação cultural 'Dar a Ver', neste ano de 2018, numa iniciativa da Secretaria Regional do Turismo e Cultura, através da Direção Regional da Cultura (Direção de Serviços de Museus e Património Cultural), conforme sublinha uma nota hoje emitida.

De acordo com essa informação, na sexta-feira, dia 9 março, pelas 18.00 horas, realizar-se-á a conferência sob o tema: Inscrições funerárias flamengas na ilha da Madeira: memória viva dos sepultados, pela Drª Filipa Avellar.

Filipa Gomes do Avellar é especialista nas áreas de Epigrafia e Paleografia portuguesa. É licenciada em Ciências Históricas (1984) e Mestre em Paleografia e Diplomática (1996) pela Faculdade de Letras de Lisboa. Foi professora na Universidade Lusíada (1984 - 2004) onde lecionou as disciplinas de Epigrafia e Paleografia Portuguesa e História Medieval de Portugal, entre outras. Na Direção Geral dos Edifícios e Monumentos Nacionais (DGEMN) organizou e coordenou a área temática de Epigrafia Portuguesa, no Inventário do Património Arquitetónico (2001-2007).

É autora de vários artigos publicados na sua área de especialização e ainda membro da Sociedade Portuguesa de Estudos Medievais e sócia agregada do Instituto Português de Heráldica.

Na presente comunicação, a Drª Filipa Avellar centrar-se-á no maior conjunto de inscrições funerárias provenientes da Flandres e que se encontram reunidas na Ilha da Madeira. Gravadas primorosamente em lâminas de metal ou em grandes lajes de pedra azul acinzentada as inscrições que compõem este espólio epigráfico, datado do séc. XVI, apresentam decoração e características únicas que as remetem para um mesmo centro produtor. Ao perpetuar no tempo a memória dos seus encomendadores estes exemplares testemunham ainda as relações comerciais entre Portugal e a Flandres tornando-se num património de valor incalculável que urge dar a conhecer e preservar.

A mesma nota informativa acrescenta que no sábado, dia 10 de março, pelas 11.00 horas, a professora Doutora, Rosário Salema de Carvalho fará a sua comunicação intitulada: Azulejo. O projecto Az Infinitum.

Rosário Salema de Carvalho é doutorada em História, especialidade História da Arte, pela Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa. É investigadora do ARTIS – Instituto de História da Arte da Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa, onde integra o grupo Az – Rede de Investigação em Azulejo, da qual é também coordenadora executiva. Tem desenvolvido investigação na área do património e, principalmente, na área da azulejaria portuguesa, com vários livros e artigos publicados. Atualmente é bolseira de pós-doutoramento da Fundação para a Ciência e a Tecnologia, dedicando-se ao estudo das molduras do período barroco e, no âmbito do grupo Az, é responsável pelos projetos relacionados com estudos de azulejaria e inventário, entre os quais merece especial referência o projeto âncora do grupo, o Az Infinitum – Sistema de Referência e Indexação de Azulejo.

Nesta conferência, fará uma apresentação do Az Infinitum dando a ver não apenas as potencialidades do próprio sistema, mas também alguma da azulejaria do Funchal já inserida na plataforma, chamando a atenção para a importância de registar o património azulejar nacional.

Registar, documentar, conhecer, estudar, investigar, divulgar e preservar são algumas das palavras-chave que caracterizam o Az Infinitum - Sistema de Referência e Indexação de Azulejo (http://redeazulejo.letras.ulisboa.pt/pesquisa-az). Este projeto, em curso e disponível em livre acesso, tem como principal objetivo documentar os revestimentos em azulejo produzidos ou aplicados em Portugal, que se conservam in situ. A sua estrutura relacional permite sistematizar e cruzar informação muito diversificada (texto e imagem), assumindo uma vertente digital e não apenas digitalizada, que faz desta plataforma uma importante ferramenta de trabalho na investigação e estudo da azulejaria portuguesa. Desenvolvido pela Rede de Investigação em Azulejo (ARTIS/FLUL), em parceria com o Museu Nacional do Azulejo e com a empresa Sistemas do Futuro, este projeto conta ainda com a participação de várias outras instituições, investigadores e colaboradores.

De acordo com a nota informativa distribuída já esta manhã, o projeto Dar a Ver tem por base a divulgação do património artístico regional e a promoção da sua integração no panorama nacional e internacional. Uma “aposta ganha” do Governo Regional, garante a mesma nota d eimprensa, precisamente porque “valoriza a oferta cultural, potencia o seu acesso junto de toda a população (residente e visitante) e contribui para reforçar a nossa matriz identitária” conforme explica a Secretária Regional do Turismo e Cultura, Paula Cabaço, citada no comunicado.

Ao longo deste ano, serão convidados vários especialistas, locais e nacionais, que abordarão, de forma mais específica ou generalista, aspetos dessa imensa diversidade cultural conservada in situ, ou já transitada para os museus, sendo que o essencial do programa será constituído por visitas guiadas e por conferências a realizar em vários locais.

Conforme habitual, a participação nestas atividades é gratuita, mas deverá ser feita uma inscrição prévia através do endereço de correio eletrónico daraver.drc@gmail.com, sendo que serão limitadas (cada uma) ao número de lugares sentados (65).

Conheça o programação das ações referentes a 2018

9 de março, sexta-feira, pelas 18h:00

Inscrições funerárias flamengas na ilha da Madeira: memória viva dos sepultados - Conferência

Filipa Avellar

Museu Quinta das Cruzes

10 março, sábado, pelas 11h:00

Azulejo-Projeto Az Infinitum - Conferência

Rosário Salema

Museu Quinta das Cruzes

24 de março, sábado, pelas 11h:00

Os Arcazes Portugueses e Madeirenses - Conferência

Isabel Mayer Godinho Mendonça

Museu de Arte Sacra do Funchal

16 de junho, sábado, pelas 11h:00

Iconografia Cristã no Oriente- Conferência

Manuel Pires de Lima de Castilho

Museu Quinta das Cruzes

22 de setembro, sábado, pelas 11h:00

Ourivesaria Portuguesa dos séculos XVI e XVII - Conferência

Luísa Penalva

Museu Quinta das Cruzes

28 de setembro, sexta-feira, pelas 18h:00

Museus e Educação- Conferência

Ana Duarte

Casa-Museu Frederico de Freitas

29 de setembro, sábado, pelas 11h:00

Pintura Flamenga em Portugal - Conferência

Fernando António Baptista Pereira

Casa-Museu Frederico de Freitas

19 de outubro, sexta-feira, pelas 19h:00

Panorama da Arte Portuguesa no século XXI - Conferência

Luiza Soares de Oliveira

Mudas. Museu de Arte Contemporânea da Madeira

20 de outubro, sábado pelas 15h:00

A Arte em Portugal no século XIX - Conferência

Raquel Henriques da Silva

Museu Quinta das Cruzes