'Memorial do Convento' enquanto contra epopeia nas palavras de Luísa Paixão

Na Galeria Anjos Teixeira, no Funchal, realizou-se ontem um encontro sobre a obra de José Saramago, no quadro do ciclo de conversas sobre o livro de eleição do "Nobel português", tendo como convidada a professora Luísa Paixão.

Sob o lema da 'Palavra Resistente'. Com Saramago', Luísa Paixão escolheu falar sobre 'Memorial do Convento'.

Na leitura sobre José Saramago, Luísa Paixão abordou "o povo como verdadeiro protagonista da História". O povo atravessa toda a narrativa, numa construção de figuras, que embora corporizadas por Balthasar e Blimunda, tipificam uma força colectiva, o povo, que edifica os acontecimentos simbolizados na construção do convento de Mafra. Assim, este livro de Saramago foi apresentado como um poema extenso em que são narradas acções heróicas e grandiosas do colectivo/povo.

Estas sessões promovidas pela Galeria Anjos Teixeira integram-se no programa de comemorações que a Galeria Anjos Teixeira está a promover no centenário do nascimento de José Saramago.