Eduardo Jesus assinala "olhar diferente" que Lourdes Castro imprimia sob o real

Romina Barreto

O tutelar da pasta da Cultura, Eduardo Jesus, já reagiu à morte de Lourdes Castro, salientando, no seu discurso, a perda irreparável que constitui para a cultura internacional, enfatizando que o seu rasto sempre foi mais além da ilha onde nasceu.

O sentido de visão e liberdade que artista emanava não ficaram esquecidos na intervenção do secretário regional de Turismo e Cultura a propósito desta partida.

“O falecimento de Lourdes Castro é um momento triste para a cultura e não só para a cultura regional, mas, acima de tudo, para a cultura nacional e internacional porque Lourdes de Castro foi uma artista que marcou internacionalmente através da sua intervenção materializada em obra, técnica e em mensagem”, corroborou.

“No olhar diferente sobre a realidade e numa forma de representar esse entendimento que era só dela. De uma forma singular, que marcou várias gerações, mas que deixou, acima de tudo, uma ideia que se deve reter de que o artista tem uma liberdade que não se esgota”, notou.

Em suma, o governante acredita que essa é mesmo “a maior mensagem que Lourdes de Castro nos deixa através dos seus trabalhos e da sua criação. Este conceito de liberdade que está associado à Arte, que faz parte da cultura e alimenta a cultura e que, também ela, soube ser um agente vivo durante estes largos anos que nos deu o privilégio de estar entre nós”.