Governo espanhol vai propor designação de “nacional” para o museu Thyssen em Madrid

O Governo espanhol vai propor a designação de “nacional” para o museu Thyssen-Bornmisza, em Madrid, em setembro, no 25.º aniversário da venda da coleção ao Estado, categoria em que já se incluem os museus do Prado e Rainha Sofia.

A decisão foi anunciada pelo ministro da Educação, Cultura e Desporto e porta-voz do Governo espanhol, Íñigo Méndez de Vigo, num pequeno-almoço com a imprensa, em que defendeu também a intenção de prolongar o empréstimo da coleção privada de Carmen Thyssen.

O ministro revelou que o Governo vai propor, em setembro, ao Patronato do Museu, incorporar a designação de “nacional” no nome do Thyssen-Bornmisza, para que este se encontre na mesma categoria que o Prado e o Rainha Sofia.

Méndez de Vigo relembrou que o Estado espanhol tinha adquirido a coleção Thyssen-Bornemisza há quase vinte e cinco anos, naquilo a que chamou um “acordo extraordinário”, que permitiu ao Executivo tornar-se titular de uma coleção de mais de 800 quadros.

Quanto à coleção privada de Carmen Thyssan, que inclui 432 pinturas emprestadas à instituição em 1999, o ministro salientou que se ia procurar uma “solução de continuidade”, para renovar por vários anos o empréstimo, pelo qual Thyssen nunca pediu nenhuma retribuição fiscal, salientou o ministro.

Íñigo Méndez de Vigo adicionou ainda que se ia tentar acomodar as necessidades da baronesa com a vontade do Executivo de que a coleção continue em Espanha, salientando que se respeitará sempre a vontade de Carmen Thyssen que é, afinal, sublinhou, a dona das obras de arte.