O Desafio da Formação de Professores para o Século XXI

Não é possível (re)pensar a Formação de Professores sem fazer escolhas ideológicas. Decidir que tipo de profissionais de educação queremos ter implica decidir sobre o modelo de sociedade que defendemos e sobre que tipo de seres humanos queremos formar. Queremos formar pessoas críticas ou queremos, pelo contrário, formar pessoas pouco questionadoras que aceitam pacificamente o que ouvem? Queremos formar pessoas que questionam as consequências dos seus atos relativamente à sustentabilidade do nosso planeta ou queremos formar pessoas que o continuam a destruir sem se questionarem? A forma como nos posicionamos perante o que deve ser a aldeia global em que vivemos e sobre qual o papel que nela desempenhamos faz diferença relativamente às finalidades que estabelecemos para a Escola, as quais estão intrinsecamente ligadas às finalidades que estabelecemos para a formação de professores.

Compreendendo que a “valorização da profissão Professor é uma atitude social e política incontornável” a Sociedade Portuguesa de Ciências da Educação (SPCE), em parceria com o Centro de Investigação em Educação da Universidade da Madeira (CIE-UMa) e com a Secretaria Regional de Educação (SRE), através da Direção Regional de Educação (DRE) organizam, no final de mês de janeiro (29 a 31) a II Conferência Internacional de Educação Comparada – dedicada ao Professor do Século XXI e às transformações e desafios para a construção de sociedades sustentáveis. A conferência realiza-se na Universidade da Madeira.

A organização da conferência convidou cerca de vinte especialistas de referência, do país e do estrangeiro, para discutir esta temática com base na investigação que realizam. Três especialistas estrangeiros, farão as conferências plenárias. São eles os professores Miguel Santos Guerra, da Universidade de Málaga, Ivor Goodson, da Universidade de Brighton e Pablo Fuser, analista da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico (OCDE). Existirão 3 painéis plenários dedicados a temáticas muito atuais e fundamentais quando se discute a formação do Professor do Século XXI.

Nesta conferência, dos cerca de 100 professores e investigadores nacionais e estrangeiros inscritos, 60 apresentarão comunicações.

(Re)pensar a formação de professores para o Século XXI implica (re)pensar não apenas o conhecimento científico, mas também as metodologias de trabalho, não deixando de parte a integração da inovação nos contextos de aprendizagem dos professores.

Numa época em que alguns temem que a tecnologia substitua o Professor, será sem dúvida importante discutir os novos papéis do Professor do Século XXI, bem como “as transformações e desafios para a construção de sociedades sustentáveis”. JM