Prevenir o “inofensivo”

A utilização das tecnologias apresenta inúmeras vantagens e potencialidades para o nosso dia a dia, seja por questões laborais, familiares ou sociais. No entanto, numa fase pós pandemia, devemos refletir sobre o tempo de qualidade e/ou saudável que passamos atrás do ecrã. Apesar dos aspetos positivos, sabemos que o uso excessivo, e cada vez mais precoce, acresce riscos para a saúde física e mental, e para as relações sociais. Este uso e a saturação tecnológica a que estamos expostos, pode favorecer o aparecimento de novas condições psicológicas e psicopatológicas, principalmente nas faixas etárias mais novas.

Embora o uso das tecnologias no nosso quotidiano seja uma ferramenta fundamental e necessária, é importante distinguir o seu uso saudável do seu uso excessivo.

Neste sentido, a Unidade Operacional de Intervenção em Comportamentos Aditivos e Dependências, através da Direção Regional da Saúde, desenvolve projetos de prevenção na área dos comportamentos aditivos e dependências, onde está inserida a dependência sem substância. Para esta finalidade e dando continuidade ao projeto lançado em 2017 “Estou online e agora?", delineou-se o projeto “Estou online e agora? Preparação para o futuro”, direcionado para famílias com crianças e enfermeiros dos cuidados de saúde primários com o objetivo de sensibilizar para o uso saudável das tecnologias, assim como o uso inadequado da internet.

Dada a pertinência em conhecer e atuar sobre este crescente fenómeno, pretende-se potenciar a literacia digital nas famílias com crianças, através do desenvolvimento de uma intervenção preventiva sobre o uso das novas tecnologias na primeira infância e a sua influência na dinâmica familiar, assumindo-se assim, a importância de consciencializar as famílias para a adoção de um modelo parental promotor de um desenvolvimento saudável, informando e consciencializando sobre os efeitos da introdução precoce das tecnologias na primeira infância.

A implementação do projeto teve início no Centro de Saúde do Caniço, Concelho de Santa Cruz, e em breve realizaremos ações nas creches e jardins de infância do mesmo concelho. Numa fase posterior será disseminado noutros concelhos da Região Autónoma da Madeira.

Num primeiro momento pretende-se, sensibilizar e alertar os enfermeiros generalistas sobre as consequências do uso precoce e/ou inadequado das tecnologias na primeira infância, capacitando-os para uma intervenção fundamentada junto das famílias, e posteriormente junto das grávidas e/ou puérperas que frequentam as aulas de preparação e pós-parto, visando informar e consciencializar sobre os efeitos da introdução precoce das tecnologias na infância, retardando a iniciação do uso dos ecrãs. No que diz respeito à intervenção nas creches, as educadoras e os pais serão também sensibilizados para os cuidados a ter na utilização precoces das tecnologias, assim como abordaremos e debateremos alternativas saudáveis à utilização dos ecrãs.

Este projeto tem como objetivo, não só sensibilizar para o uso saudável das tecnologias e/ou uso inadequado da internet, como também ajudar a arranjar alternativas e atividades que possam ser mais saudáveis e benéficas, não só para as crianças e jovens, como também para a dinâmica familiar.

Vamos aproveitar este início de ano para nos desafiarmos enquanto família e figuras de referência para os mais novos. Vamos passar mais tempo de qualidade com os nossos filhos, desconectados do mundo virtual e desligados dos ecrãs. Vamos ajudar a promover a saúde física e mental das nossas crianças e jovens!