Humor no trabalho

A maioria de nós celebrou a passagem de ano com algum entusiasmo. Contudo, esta rapidamente esmorece quando, volvidos uns momentos de descanso ou celebração, regressamos ao trabalho.

Seja ele desempenhado no escritório, em casa ou noutro espaço qualquer, está enraizada na nossa cultura a ideia de que o local de trabalho é aquele espaço acinzentado onde ninguém ri. A recomendação é a seguinte: não tenha medo de o fazer! Uma série de estudos demonstra o impacto positivo que o humor pode ter no local de trabalho.

De acordo com investigações de instituições como o MIT e a London Business School, cada riso ou gargalhada traz consigo uma série de benefícios comerciais. O riso alivia o stress e o tédio, aumenta o envolvimento e o bem-estar e estimula a criatividade, a colaboração, a precisão analítica e a produtividade. Curiosamente, Alison Wood Brooks, professora da Harvard Business School, descobriu que as piadas no local de trabalho podem ainda fazer com que as pessoas que as proclamam pareçam mais competentes.

Segundo a Mayo Clinic, quando começamos a rir não nos limitamos a aliviar a nossa carga mental. Na verdade, rir induz mudanças físicas no nosso organismo, faz aumentar a nossa ingestão de ar rico em oxigénio, aumentando a libertação de endorfinas pelo cérebro. Estimula ainda a circulação e o relaxamento muscular, o que pode ajudar a reduzir alguns dos sintomas físicos do stress. Uma boa gargalhada arrefece a nossa resposta ao stress e pode aumentar o nosso ritmo cardíaco e a nossa pressão arterial. O resultado? Uma boa sensação de relaxamento.

Tendo em consideração toda a investigação que mostra que a redução do stress beneficia o bem-estar dos colaboradores e reduz o absentismo, a liberdade para podermos rir no nosso local de trabalho parece ser não só benéfica como necessária. De modo ilustrativo, um estudo revelou que depois de assistir a um pequeno clipe de comédia, os colaboradores que o tinham visualizado foram 10% mais produtivos comparativamente com os restantes.

Evidentemente, podem surgir desvantagens quando expressamos demasiadas risadas ou exacerbamos o nosso sentido de humor no local de trabalho. A título de exemplo, os líderes que provocam os seus subordinados e contam piadas “porcas” estão a preparar um caminho sinuoso que encoraja outros colaboradores a se comportarem de forma menos apropriada perante os colegas. A este respeito, Rosabeth Moss Kanter, também ela professora da Harvard Business School, observa que os grupos minoritários em situações profissionais, tais como uma mulher num grupo de homens, podem sentir-se pressionados a rir das piadas que os rebaixam e humilham. O preço a pagar por este tipo de sujeição acaba por ser o progressivo desrespeito em relação a todos aqueles que representam esse grupo minoritário. Uma condição irrevogável é haver respeito no humor, tendo consideração pelos colegas, analisando bem o contexto onde estamos inseridos, evitando provocar distrações e aplicando-o em dose moderada. Obviamente que não o devemos fazer o dia todo, durante a semana inteira. Dentro dos limites da decência, o riso é algo intrinsecamente bom e os seus benefícios ultrapassam largamente os potenciais riscos. Rir é um excelente e barato ansiolítico e antidepressivo.

Como observou Carl Marci, professor da Harvard Medical School: "O riso é um sinal social entre os humanos. É como um sinal de pontuação".

Se está num dia difícil, lembre-se, é útil ser o ponto de exclamação!

Feliz ano de 2022 a todos!