O Orçamento de Estado e o PSD-M

No início deste mês, o Deputado Victor Freitas do PS-M, expôs na ALRAM, preto no branco o que move o PSD Madeira na sua dialética contra Lisboa, somente quando o PS governa o país. Apenas olha para os ganhos político-partidários que possa vir a obter, independentemente dos benefícios que possam afetar a população.

Quando, nos tempos de Passos Coelho cortaram 10% dos salários, os deputados do PSD-M votaram favoravelmente. Mais tarde, já com António Costa, quando foram repostos esses salários, o PSD-M votou CONTRA! De igual forma, o PSD-M votou a favor do congelamento da progressão nas carreiras, para depois, quando o PS descongelou, votar CONTRA! E lembram-se da tão famigerada sobretaxa que todos os contribuintes tiveram de pagar, a tal que pela mão de Passos Coelho ficou retida na República? Ora bem, mais uma vez os Deputados do PSD-M votaram a favor, para depois quando foram eliminadas, votarem CONTRA!

Quando aplicaram as 40h de trabalho aos funcionários públicos, o PSD-M votou a favor, e claro que quando foram reduzidas para as 35h, por ser uma proposta do PS, votaram a CONTRA! E os feriados, lembram-se? 4 feriados eliminados com o voto favorável do PSD-M, quando foram repostos, voltaram a votar CONTRA!

Este mês recebemos o subsídio de Natal. O subsídio que no passado foi cortado pela mão do PSD-M, quando foi reposto pelo PS, mais uma vez votaram CONTRA, também já sabemos que se Paulo Rangel alguma vez liderar o Governo, esse subsídio voltará a desaparecer. E porque falamos de rendimentos do trabalho, o PSD-M votava favoravelmente os Orçamentos de Estado com um Salário Mínimo Nacional de 505€, para depois votar CONTRA quando subiu para os 665€ (voto contra defendido nesta matéria por Rui Rio), do mesmo modo votou CONTRA a atualização das pensões mais baixas, quando antes votava a favor o seu congelamento.

O PSD-M votou favoravelmente os Orçamentos de Estado que colocaram o IVA da restauração na taxa máxima, que tinham 0€ para o hospital, que transferiam apenas 62M€ para as Câmaras Municipais, que contemplavam 11M€ para o subsídio de mobilidade e quando pagávamos 12M€ por ano de juros do PAEF. Quando o IVA da restauração baixa para a taxa intermédia, quando coloca verbas para o hospital, quando as transferências para os Municípios passam para 81 M€, o subsídio de mobilidade sobe para os 50M€ e os juros do PAEF baixam para 5M€ por ano, como é que os deputados do PSD-M votam? CONTRA!

Continuando, quando o Orçamento de estado previa 0€ dos Jogos da Santa Casa para a Região, quando as transferências para a Segurança Social eram de 17,5M€, quando nos foi aplicado um violento PAEF, claro está que o PSD-M votou a favor. Quando passámos a receber 17M€ dos Jogos da Santa Casa, quando a verba da Segurança Social mais que duplicou, passando para 38,5M€ e quando somos beneficiados com a duplicação de verbas do PRR, os Deputados do PSD-M votam CONTRA!

Isto para vermos como, apesar do que anunciam, na realidade temos um PSD-M que votou sempre contra a Madeira, sempre contra os Madeirenses, um PSD-M que sempre aprovou os Orçamentos de Estado de Passos Coelho e sempre votou contra os Orçamentos de Estado de António Costa. Para o PSD-M não interessam as boas medidas que vêm da República para a Região, o que interessa é diabolizar a República, mas apenas quando é o PS quem está à frente dos seus destinos, porque quando se tratam de governos do PSD, curvam-se, subservientemente, perante um PSD opressor, penalizador, de que todos os Madeirenses infelizmente bem se recordam.