Regresso às (j) aulas

Milhares de crianças estão de regresso às aulas. Obrigados, mas estão. Para eles, acabaram-se as férias. Já para os pais, começa finalmente o merecido descanso.

Se até aqui era preciso inventar um sem número de actividades, agora é só acordar os meninos e, de seguida, preparar o pequeno almoço. Depois de garantida a alimentação, é metê-los no carro. Posto isto, e porque o trabalho já vai longo, ir deixar os meninos à porta do estabelecimento de ensino. Bem, alguns ainda esperam ali uns minutinhos. Esses são os galinhas. Os que ficam a vigiar para ter a certeza que os putos não voltam para trás, ao mesmo tempo que atrasam a vida de quem tem filhos, mas estaciona longe. Bem, entre esses e os que estacionam em cima dos passeios e obrigam os peões a uma prova de obstáculos, venha o diabo e escolha…

Isto para não falar daqueles que se despedem como se estivessem a ir para alguma missão de guerra. Sai um abraço apertado. Um beijinho longo e sentido. E quando se pensa que as despedidas estão concluídas, eis que sai um aceno até ver quem baixa primeiro a mão… Enfim! É lindo de se ver. Tão lindo que saio de lá sempre muito melhor pessoa. Calmo. Tranquilo. A respirar fundo quanto mais posso e a morder os dedos nos intervalos. Faz-me mesmo bem.

Outra coisa positiva é continuarmos a ter alguém a quem atribuir as culpas dos nossos fracassos como pais. Se até aqui era a avó a responsável pela falta de regras dos putos. De saberem mais da novela do que de etiqueta. Do aumento de peso nas férias. Dos dentes cariados. Das respostas tortas. Etc, etc, etc… Agora é a vez dos professores! Sim, sim. Se o menino não aprender, é porque o professor não sabe ensinar. Se o menino se distrair, é porque o docente não está a saber cativá-lo. Se o petiz não quiser ir à escola, é óbvio que o pedagogo não está a conseguir motivá-lo. Se o moço traz recado na caderneta, desconfiamos e juramos a pés juntos que em casa ele não é assim. Mais, assim que o santo chega perto de nós, nem se ouve. Apenas ecoa o som do tablet.

Mas pronto. É o que é. São só mais uns aninhos de sacrifício porque depois vem o bem bom. Parece que assim que terminarem o cursinho, têm à espera 2700€ de ordenado. Isto a acreditar no que disse Miguel Sousa Tavares, para quem o quisesse ouvir, um destes dias em canal aberto e no horário nobre. A sério que ele disse isso com aquela cara de defunto e voz de morto vivo. Eu vi e ouvi. É assim, poder haver, algures no mundo, quem ganhe semelhante como recém-licenciado… Pode! Mas não é, seguramente, em Portugal. E se for, de certeza que esse moçoilo, bafejado pela sorte, usa 2 ou mais sobrenomes. Tem pedigree, portanto. Caso contrário vai corrido a ordenado mínimo com recibo verde que até apita! E não diga que vai daqui…

Ou então vira marginal que, pelo que vejo, está a ser a saída profissional mais procurada. Ainda há dias um, ali quem sobe o Til, lembrou-se de se despir e começar a fazer flexões com o pirilau de fora. Lembrei-me logo do meu PT. Deve ser o mesmo que o dele. Só está bem a mandar. Para além de pagar ainda tenho que fazer tudo o que ele manda, sem me deitar a mão. Podem não acreditar, mas há vezes que quase que estalo e ele só se aproxima para soltar um “respira, és capaz!”. Muitas vezes me diz para fletir mais os braços. “Desce. Vai com a cabeça quase até ao chão”. Este foi esperto. Pendurou-a. Eu cá prefiro fazer direitinho e insultá-lo ao mesmo tempo. Quem lê assim pensa que é fetiche, mas não. É desgosto mesmo.

Já outro patife “apanhou” duas estrangeiras desprevenidas e tentou, alegadamente, violá-las. Só que parece que a coisa não correu bem e acabou por esmurrá-las forte e feio, mesmo antes de fugir com aquelas canelas de metro e meio. Felizmente a PJ não brinca em serviço e já levou o presumível autor do coito na forma tentada para prisão preventiva. Se fosse como nos filmes, aconselhava o senhor a comprar gel de banho… É que, mesmo com 2 metros, se o sabonete lhe escorrega da mão e os seus chapas se lembram de lhe dar o mesmo tratamento, era uma vez o andar antigo.

Vai ser até pedir para voltar à escola! De 4.

Ps, sabia que me estava a esquecer de alguma coisa. Uma palavra de agradecimento público a Jorge Sampaio. Não, não foi por ter sido o único a usar a bomba atómica, dissolvendo o Parlamento e convocando assim novas eleições. É porque, a ter que morrer, foi na melhor altura… São menos 3 dias de campanha! Sempre posso conseguir falar com o meu pai sem me mandar sempre à frente. Pelas minhas contas, era preciso mais 3 “azares” até às eleições! Pffffff… 3? Só? Pessoalmente, assim de repente, eu arranjava mais uns 8. Pena alguns como o Mário Soares, o Cavaco e o Sócrates já terem morrido… Ups, 9, 10!