Efeitos surpresa

Ao longo dos tempos, foi-se perdendo um pouco a expetativa de surpresa no ritual diário ao abrir a caixa de correio. Essa expetativa esmoreceu perante a constante repetição de meras contas da luz e da água, dos extratos do banco, do consumo do telemóvel e, de vez em quando, de umas encomendas que fizemos online. Tudo bem mais previsível que antigamente.

As cartas de amor foram transformadas em mensagens que se autodestroem no telemóvel; os bilhetes dos admiradores secretos em convites de amizade nas redes sociais; as longas cartas dos familiares emigrados em conversas pelo Skype. O momento em que viramos a chave do correio há muito que deixou de antecipar surpresas.

Devido ao aumento das novas tecnologias de comunicação a tomar o seu lugar nos hábitos dos consumidores, tem se referido o natural declínio da utilização dos correios. Mas eis que a pandemia veio introduzir novas tendências também neste domínio.

Sabendo que as vendas online são o principal motor de crescimento no volume de encomendas a nível mundial, é natural que o consumidor tenha passado a reorientar algumas das suas compras para o mundo online, para dar à volta aos constrangimentos do confinamento social.

O mercado digital poderá ser assim a necessária bolha de oxigénio para muitas PMEs e para os próprios serviços postais. Quanto mais a geografia for um constrangimento para a economia de uma região, mais forte deverá ser a aposta no digital, para conseguir dar o salto de desenvolvimento.

Contudo, o efeito surpresa não desapareceu por completo das caixas de correio. A pandemia também trouxe outros fenómenos mais surpreendentes nas caixas de correio (físicas!) de muitas pessoas, para além das máscaras comunitárias. Por isso, da próxima vez que o leitor for ver se tem correio, esteja atento pois pode ter uma surpresa. Vejamos dois exemplos:

1. Neste verão soaram as campainhas de alerta nos EUA, quando muitos americanos começaram a receber sementes enviadas da China pelo correio, mas que nunca tinham sido encomendadas. Estas encomendas mistério também já chegaram a caixas de correio em Portugal, tendo o Ministério da Agricultura apelado a que os pacotes sejam entregues às entidades oficias, devido ao possível perigo de contaminação. Não se sabe ainda quem as envia nem o porquê. Entretanto os EUA já conseguiram identificar 14 das espécies de sementes que estão a chegar da China, e parecem inofensivas: mostarda, couce, alfazema, hibiscos e hortelã, por exemplo. Mas com estas surpresas orgânicas, todo o cuidado é pouco…

2. Donald Trump é acusado de falta de solidariedade além-fronteiras. Eis que os correios decidem mostrar que é possível ser diferente. Para além do seu diferendo com o chefe dos Correios americanos devido à votação por correio nas próximas eleições presidenciais, parece que Donald Trump usou selos a mais ao enviar os cheques de estímulo económico. Desde a primavera que o governo americano envia cheques de $1200 ao cidadão americano para amenizar o impacto negativo da pandemia sobre a economia. Contudo, mais de 100 destes cheques foram bater a caixas de correio de cidadãos austríacos – na Áustria, leia-se, naturalmente. Dizem que se trata de um erro administrativo, até porque houve mortos que também receberam esses cheques. E ainda acham que não há surpresas nas caixas de correio?


Sugestão da Semana: O mais recente filme de ação e ficção científica de Christopher Nolan “Tenet”, com John David Washington no papel do protagonista. Uma garantia de 150 minutos épicos no cadeirão na sala de cinema.