Esqueçam os egos, há muito para fazer em 2021!

Desde que me lembro que o meu Partido, o PPD/PSD Madeira, coloca, em primeiro lugar, os interesses desta Região.

Sempre primou, aliás, por fazer do nosso povo - da sua qualidade de vida, realização, segurança e bem-estar - a sua prioridade e razão de ser.

É isso que justifica e sempre justificou toda a nossa ação, o trabalho levado a cabo no terreno e cada uma das lutas que, juntos, fomos capazes de vencer, até agora.

Também é isso que nos distingue dos outros Partidos que se dizem ao lado das pessoas e nada fazem em seu favor.

Há mais de quarenta anos que é assim.

Só depende de nós que assim seja, por muitos mais.

Há mais de quarenta anos que, unidos, estamos no terreno, ao lado dos nossos militantes, a trabalhar pelo que é melhor para a nossa população.

A ouvir e a sentir o que as pessoas mais precisam, para depois resolver.

Um povo que, ouvido naquilo que são as suas necessidades e aspirações, confia em nós. Dá-nos a responsabilidade de conduzir os destinos desta terra, o desenvolvimento e o progresso a que todos aspiramos, porque se revê na nossa estrutura. Nos nossos valores e na nossa capacidade e honestidade.

Porque acredita num Partido de militantes responsáveis, unidos e apenas movidos pelo interesse comum e, não, por interesses pessoais.

Militantes que, com humildade, sabiam e sabem transformar uma ideia num projeto coletivo, para defender o seu povo, sem nunca esquecer a sua cor partidária, os princípios e orgulho na bandeira e no hino que tanto nos dignificam enquanto grupo de cidadãos que sabe o que quer e para onde ir.

Esta união, está comunhão de interesses, existiu e existe.

Resiste há mais de quarenta anos, ainda que, pelo caminho, sempre surjam alguns egos inflamados que procuram um protagonismo rapidamente esfumado, num partido que vale pela soma das suas partes, pelo seu todo e, não, pela vaidade dos que não sabem ser conjunto.

Com o devido discernimento a falar mais alto e em nome da coerência que se exige a quem está na política, estas vozes lá desistiam dos seus ímpetos e interesses pessoais em nome da estabilidade interna do partido e em respeito ao seu líder, eleito pelos próprios militantes e democraticamente. Sempre foi assim.

Até porque bem sabemos que os egos inflamados, embevecidos de uma ambição desmedida, só resultam na sua própria destruição e deles "não reza a História".

Prefiro e defendo os que têm o ego suficientemente forte para não se esquecerem de serem humildes. Os que têm o ego suficientemente forte para assumirem e reconhecerem que vencer na vida, seja qual for a vitória, exige a união e a mobilização de toda a estrutura. A capacidade de destacar alguns, sem nunca esquecer o todo e a base que nos sustenta.

É preciso notar que qualquer luta que não seja levada a cabo em nome dos princípios e dos valores do nosso partido, será em vão.

E temos uma grande luta pela frente em 2021 que não se compadece com este tipo de atitudes. Com a postura daqueles que insistem e persistem em orgulhos destrutivos e cegos, que não respeitam o seu líder e que muito menos respeitam os seus colegas de partido.​

Não, o caminho não pode ser este.

Aliás, não será este.

E quem quiser seguir este caminho que o faça, mas não à luz e sob a capa do PSD/M, um Partido que vale pela união e capacidade de trabalho dos seus militantes a favor da Madeira e do Porto Santo e, não, de figuras que, para brilharem, não sabem seguir estrada sem que tenham de ir à frente, quando é no meio que são precisas.

O foco nas Eleições do próximo ano obriga-nos a uma responsabilidade e a uma posição de força, apenas possíveis a um Partido como o nosso, que fez e que continuará a fazer parte da história da Madeira, nestas últimas décadas.

Deixemos as brincadeiras de parte e sejamos capazes de olhar o futuro, lado a lado, sem que o tempo nos fuja das mãos perdido nestas histórias e nestes episódios de egos que, se nunca antes fizeram sentido, agora muito menos sentido fazem.

Pela Madeira, caminhemos juntos.

Não percamos tempo que outros tantos agradecem.