Caiu a máscara

Não venham de garfo que hoje é sopa. Se pensam que vou ser mais um para deitar lenha na fogueira, já podem ficar por aqui. Eu até entendo que muita gente tenha opinião contrária. Ou que não tenha opinião nenhuma, mas goste de ser do contra. No entanto, escusam de andar com petições. Isto é muito simples. O governo já falou e das duas uma! Ou andam com o nariz e a boca protegidos ou garantem o distanciamento social. Agora focinho ao léu e coladinhos, eles não querem!!! Não e acabou (de forma democrática!). Não é por capricho! É por saúde, defendem. É sabido que temos poucos casos activos e que quem chega está a ser testado, mas também já se percebeu que a garantia não é total. E se o preço a pagar para se evitarem eventuais contágios é protegermo-nos, então façamo-lo!!! Sem tretas. Sem pesagens dos direitos nem medições das competências. Apenas respeito pela saúde alheia. É que eu não tenho dúvidas nenhumas de que mais cedo ou mais tarde vou contrair esse vírus. E vivo bem com isso. Sinto-me um Bolsonaro! Mas já me atormenta pensar no facto de poder ser transmissor e contagiar pessoas teoricamente mais vulneráveis e na pior das hipóteses, vê-las partir. Sim, porque morre gente disto! E não vai ser só no resto do mundo. 

Conseguem entender isso? Sugiro, pois, que adoptem uma postura diferente. Isto não deve ser um “salve-se quem quiser”. Sigam o exemplo dos meus tios. Não foi preciso alguém obrigá-los a coisa nenhuma. Eles pensaram no melhor para eles e adaptaram-se. Não gostam de usar máscara. Falta-lhes o ar. Ficam abafadinhos. Então mantêm a distância. Se não acreditam esperem até verem passar por vocês um carro com um casal em que ele vai a conduzir e ela no cantinho atrás do lugar do morto. E de janelas abertas. Juro pela minha saúde. Mas pronto! Não complicam. Não chateiam ninguém. Vivem a vida deles.

Ao contrário de outros que se preocupam mais com os amigos do que com eles mesmos. Reparem. Esta quarentena foi dura. Fomos todos apanhados desprevenidos. Não estávamos preparados para tanto tempo em casa. Comemos de mais. Queimamos de menos. E agora estamos a colher o que plantamos. A roupa parece tão feliz por nos sentir nela que parece que não se cansa de nos abraçar. Bem apertadinhos!

E nós sabemos isso. Sentimos isso. Vemos isso. Mas há sempre alguém que nos faz questão de “avisar” ... “Hummmm. Estás mais gordinho!!” E daí? Qual é o problema? Com esta idade ainda acham que vão ter que andar comigo ao colo? Deixem-me em paz. Façam-me um favor, joguem fora a máscara e coloquem um açaime. Chiça.

Se não têm mais nada para fazer, pensem noutras coisas. Algo mais importante. Pensem que o governo está a dar o seu melhor e continua a promover o desenvolvimento. Desta feita foi com 195 mil euros para o rali. Isso e tolerância de ponto para a função pública. Siga! Pé no fundo.

Que o padre Giselo comemorou 15 anos de sacerdócio! Força. Que lhe acendam a vela muitos e muitos anos é o que eu desejo.

Que os entendidos dizem que a obrigatoriedade do uso da máscara está a provocar cancelamentos nas viagens. Calma. Não é para colocar nos olhos. Podem vir na mesma que a paisagem continua igual!

Sei lá.... Pensem no porquê desta imposição agora, se há uns meses a máscara nem era opção! Diz-se que foi por, na altura haver um risco de ruptura de stock. Então e será que agora já há a mais e querem escoar?

Imaginem que o Marítimo já tinha um treinador teimoso. E agora vai ter 2! Em que é que vai dar? Não sei. Não faço ideia.

Pensem.

E já agora, façam um minuto de silêncio pelo União Sad. Que Deus lhe dê o céu. Que do resto o anterior presidente já tratou de tudo.