Revitalizar exige união e perseverança

Os madeirenses e porto-santenses são exímios no que diz respeito a se reerguerem e a se reinventarem quando é necessário responder a desafios e enfrentar adversidades.

A situação de pandemia coloca-nos novamente, como em outras circunstâncias já sucedeu, num cenário que exigirá darmos o máximo e o melhor de cada um de nós. Sem arrogância, com humildade. Sem exibicionismo, com sentido de missão.

Enquanto durou o confinamento muitos foram assolados pela ansiedade do futuro incerto. Agora é hora de arregaçar as mangas e não esperar que ninguém faça por nós e nisso, diga-se em abono da verdade, ninguém nos dá lições.

Os trabalhadores e as famílias madeirenses e porto-santenses estão a procurar dar resposta às exigências do cenário atual, mas vão necessitar do apoio das entidades públicas. Os empresários madeirenses e porto-santenses vão necessitar do apoio das entidades públicas. Sem atropelos, sem precipitações ou correrias, porque o reerguer vai ser tão árduo quanto demorado e exigirá o contributo de todos, devidamente ponderado e fundamentado, porque o desafio que temos pela frente não é uma prova de 100 metros, mas sim uma maratona.

Ultrapassar os tempos difíceis que se avizinham exigirá bater a todas as portas, procurar o apoio de todos e esperar que esses apoios se complementem e que, no seu conjunto, se revelem importantes para um reinício que será difícil para todos.

É importante que se pense que as entidades públicas servem famílias e empresários e que as medidas mais adequadas serão as que não segregam nem deixam ninguém de fora, sem ultrapassar, como é óbvio, as condicionantes decorrentes da legislação em vigor.

Num tempo em que muitos necessitam de ajuda é fácil cairmos na tentação de agirmos e só depois refletirmos sobre as nossas ações e medidas, algo que não se compadece com as responsabilidades de quem gere dinheiros públicos.

No Porto Moniz, a Câmara Municipal, face à pandemia, além das medidas de resposta imediata de apoio à população e empresários, apresenta agora um programa que se pretende aglutinador e eclético com o intuito base daquela que deve ser a lógica de ação de uma autarquia: chegar ao máximo de destinatários ainda que com pouco, ao invés de chegar a poucos com muito.

O Programa Municipal Porto Moniz Revitaliza+ é uma resposta pensada, estruturada, feita à medida da disponibilidade financeira da autarquia, sem megalomanias, indo ao encontro dos trabalhadores, dos empresários e contribuindo para a efetiva e eficaz digitalização do ensino.

A Câmara Municipal de Porto Moniz aposta na criação de trabalho temporário, proporcionando condições para manter no concelho a mão de obra que agora sobeja, mas que o tecido empresarial necessitará quando se começarem a sentir os efeitos da retoma económica. É por esta razão que o Programa Porto Moniz Revitaliza+ tem a particularidade de ajudar os empresários e os trabalhadores de forma interligada, complementar e perfeitamente conjugável.

A resposta aos desafios que se avizinham exige um congregar de esforços. Não vamos lá com as habituais capelinhas ou com as guerrinhas do “quem dá mais”.

A resposta aos desafios que se avizinham será tanto mais eficaz quanto maior for a capacidade de deixarmos de lado divergências e fazermos convergir esforços com o propósito único de encontrarmos soluções.

Revitalizar a economia, exige, necessariamente, trabalharmos em proximidade com os empresários e, simultaneamente, com os trabalhadores e as suas famílias.

Revitalizar exige, necessariamente, tentarmos não deixar ninguém para trás.

Revitalizar exige, necessariamente, que cada entidade pública faça o que está ao seu alcance e que os recursos sejam distribuídos olhando às especificidades de cada concelho.

Revitalizar exige, necessariamente, que o Governo Regional olhe para e pela Costa Norte, com estratégia e sem o espírito de pré-campanha.

 

Emanuel Câmara, presidente do PS Madeira, escreve

à quarta-feira, de 4 em 4 semanas