Farmacêuticos, sempre aqui!

Em 2001 o Mundo mudou de forma radical, não estávamos preparados, e a adaptação à nova realidade levou o seu tempo a assentar, no entanto aquele foi um marco na história recente da humanidade, o 11 de Setembro de 2001 veio colocar em primeiro plano a fragilidade do ser humano enquanto ser vivo, e a ameaça real de todo o mundo civilizado, o espectro da morte e o fim perante nós, o Homem vs o Homem num jogo de autoaniquilação e de demonstração clara de falta de inteligência, colocando a nu a nossa maior fragilidade, a estupidez (a maldade singra apenas nas mentes menos iluminadas, na esperteza boçal, no egoísmo existencial, na idiotice visceral).

Volvidos quase 19 anos, eis que assistimos a mais uma mudança radical, o Mundo encontra-se em estado de sítio. Desta vez uma pandemia, um vírus colocou em xeque a humanidade, revelando as suas fragilidades e como a história tem tendência a repetir-se, a estupidez volta a dar ares da sua graça, no açambarcamento de alimentos, medicamentos, no não cumprimento escrupuloso das recomendações das autoridades de saúde, no não cumprimento de quarentenas, e com tudo isto colocando em risco todos. Não haja dúvida que é a estupidez a nossa maior inimiga, e o meu grande receio para com a humanidade, é que “a estupidez insiste sempre” A.Camus.

No meio do turbilhão, os profissionais em Saúde não cessam atividade, ao invés incrementam a mesma em esforços sobre humanos, no cluster farmacêutico, neste momento, a distribuição, a logística, farmácias, investigação e industria farmacêutica, não tem mãos a medir com o volume de trabalho, isto por forma  a dar a melhor resposta ao cidadão na acessibilidade ao medicamento e na expectativa real da concretização de uma vacina e de medicamentos para lidar com o vírus. Este não é o momento de especular sobre qual será o medicamento que comprovadamente será eficaz e seguro ou a vacina com os mesmos apanágios, portanto não observar o que são meros “fait divers” típicos da internet e de alguma comunicação social, é tempo de deixar os profissionais concretizarem o que de melhor sabem fazer sem pressão, e os resultados chegarão em breve. Não é tempo também de fazer leituras sobre estudos científicos sem capacidade ou competência para tal. Siga sempre as orientações das autoridades em saúde e dos seus profissionais, eles estão capacitados para o auxiliar no melhor do seu conhecimento e com a atualidade científica validada no momento, logo perante qualquer situação que lhe surja não espere menos que excelência no seu tratamento (a internet serve neste momento apenas para confundir as mentes)!

Neste momento de crise, os Farmacêuticos reagiram prontamente, por forma a manter o abastecimento de medicamentos à população, criando planos de contingência, sempre com o fito último da defesa da saúde de todos e de cada um, a cadeia de abastecimento, a investigação e a indústria, todos a laborar 24h sobre 24h para concretizar esse desígnio de todos que é a defesa intransigente da saúde pública.

Este vírus veio para ficar, poucos de nós têm dúvidas disso, mas mais certeza temos que os Farmacêuticos estão sempre aqui, disponíveis em entrega total com esforço sobre humano e não poucas vezes, não reconhecido e com consequências pessoais, mas é garantido que pela Saúde de todos e de cada um não iremos faltar nem falhar à população!

Farmacêuticos sempre aqui!