Não nos vamos resignar!

Não dá para acreditar naquilo a que estamos a assistir.

Nas decisões trôpegas do Primeiro Ministro.

Na lentidão da ação do Presidente da República.

No fundo, é desesperante assistir a toda esta forma de atuar das “primeiras figuras do regime” – lânguida, desfasada, atabalhoada, contraditória consigo própria – repletas da sua retórica, insufladas por um verbo palavroso e circular, prolixo, abundante em rodriguinhos e explicaçõezinhas do inexplicável.

Os povos das ilhas, os portugueses que vivem em arquipélagos que estão “amarrados” a esta forma arcaica, obsoleta, antiquada – quase fossilizada – de ver e agir no Mundo atual, terão uma vez mais de se reinventar neste combate pela defesa da vida contra um inimigo invisível mas devastador.

Observe a última semana:

1. No dia 13 deste mês, face à ameaça real de a Madeira importar COVID-19 de origens consideradas transmissoras ativas, foi pedido ao país Portugal o bloqueio de aviões vindos desses países com destino aos aeroportos da RAM.

2. Em simultâneo, por iniciativa da Madeira, nesse mesmo dia começou o controlo de temperatura e o preenchimento de um inquérito por todos os desembarcados.

3. No dia 15, como Lisboa fez ouvidos de mercador, a Madeira apelou para que o Presidente da República intervenha, para que faça alguma coisa, para que não faça o mesmo que António Costa, que escolheu facilitar a contaminação das Regiões Autónomas dado o seu “temor” à “Santa” Bruxelas e à Constituição!

4. O que faz o Presidente da República? Marca um Conselho de Estado para daí a três dias! Absurdo. Inenarrável. Sem explicação racional e aceitável para qualquer cidadão minimamente racional.

5. Pelo meio a Diretora Geral da Saúde, bem conhecida das conferências de imprensa diárias de lisboa, comentou que as medições de temperatura da Madeira não serviam para nada nem eram relevantes.

6. A tal inutilidade da Madeira, iniciada dia 13 de tarde vai ser agora replicada, disse a Doutora Graça Freitas, em todos os aeroportos de Portugal e também na Madeira e nos Açores! Como é possível? Estão a brincar connosco? Quem é esta gente que diz estas coisas impunemente?

7. Ficou esclarecido, por terceiros que António Costa não encerrou os aeroportos da Madeira a voos de contaminantes porque tinha obrigações para com Bruxelas logo não pode fazê-lo!

8. No país aqui ao lado, o Governo de Espanha, a pedido dos Governos de Canárias e das Baleares, proibiu os voos de qualquer ponto de Espanha para esses arquipélagos!

9. A Alemanha, a Áustria, a Holanda, a Noruega, a República Checa, a Dinamarca, a Polónia, a Rússia e a Itália, são países que impuseram fortes limitações ou bloquearam mesmo voos e fronteiras. Não ficaram à espera da anuência de Bruxelas.

10. Portugal prefere ver Madeirenses e Açorianos contaminados a tomar medidas “DECENTES” de contingência ativa!

11. A última trapalhada? Afinal a quarentena obrigatória, que era inconstitucional a Madeira determinar, agora vai ser tomada por Portugal. Mas só esta semana. DÁ TEMPO.

12. E o que dizer da ridícula necessidade de obrigar os representantes da República da Madeira e Açores a irem a Lisboa reunir? Isso cabe na cabeça de alguém? Então o Conselho de Estado foi feito com mais de 15 pessoas via vídeo conferência. Esta reunião, de 4 pessoas teve de ser presencial com um avião a ir aos Açores e a vir à madeira buscar e trazer os respetivos.

Estão a brincar connosco. Só pode!

Não nos vamos resignar!