A falência socialista da Frente MarFunchal

Por mais que agora só se fale do Orçamento de Estado, sendo de registar, pela negativa, a atitude demonstrada pelos deputados socialistas do PS-M, em São Bento, que muito apregoam a defesa da Madeira e dos interesses das nossas gentes, mas depois, como se viu nas alterações propostas pelo PSD-M no Subsídio Social de Mobilidade, entre outras, tudo isso não passa de retórica para enganar eleitorado, continua na ordem do dia a notícia que a todos deixou incrédulos: o anunciado fecho, por falência, da empresa municipal Frente MarFunchal.

1 Milhão e 200 mil euros. É este o valor da dívida da Frente MarFunchal. Um valor tão elevado é consequência direta da má gestão, da irresponsabilidade e da incompetência do executivo municipal socialista e há responsáveis claramente identificados: o ex-presidente da Câmara Municipal do Funchal, Paulo Cafôfo, agora sentado, na Assembleia Legislativa, e o actual presidente, Miguel Gouveia, a que se junta o ex-Chefe de Gabinete, Miguel Iglésias, agora líder parlamentar na Assembleia Legislativa da Região Autónoma da Madeira.

Sejamos diretos e frontais, tal como se espera, tal como se exige, de quem está na política e que vai a votos. São cúmplices, neste caso, da má gestão e falência da FrenteMar, tal como foram na traição aos funchalenses, nomeadamente nos que neles votaram em 2017. Como já perceberam, falo, em concreto, da mentira tantas vezes repetida de que o grande derrotado nas eleições regionais de 22 de Setembro deste ano iria cumprir o seu mandato, de quatro anos, até ao fim.

Como todos já percebemos, os argumentos apresentados por esta dupla e pelo PS-M para justificar a falência da Frente MarFunchal são de uma pobreza franciscana: a culpa é das vereações do PSD. A culpa é daqueles que lá estiveram antes, razão pela qual se torna, nesta altura, mais importante ainda questionar o seguinte: Não foi o executivo municipal socialista que governou a CMF nos últimos 6 anos e 3 meses?! Não foi o executivo municipal Socialista que injetou, naquela empresa, milhares de euros, através da compra de ingressos?! Não foi o executivo municipal socialista que transferiu para a Frente MarFunchal milhares de euros adicionais para indemnizações laborais?! Não foi com o executivo municipal socialista que aquela empresa municipal falhou, por várias vezes, o pagamento de salários e até de subsídios de Natal aos 116 funcionários?!Não foi este executivo municipal socialista que abdicou, em prol da Frente MarFunchal, de 95% das receitas dos parquímetros, que correspondem a 1 Milhão de Euros anuais?! Não foi com o executivo municipal socialista que a Frente MarFunchal teve uma dívida à Autoridade Tributária que levou à penhora de contas bancárias do Município?! Não foi este executivo municipal socialista que negou todos os pedidos de esclarecimento do PSD, e nunca efetuou uma auditoria às contas da empresa?! Não foi este executivo municipal socialista que transformou a Frente MarFunchal numa agência de emprego para militantes e simpatizantes socialistas.

Para os mais desatentos, para aqueles que insistem em apagar sete anos da história do Funchal, de 2013 a 2020, relembro que, em 2011 e 2012, a Frente MarFunchal constava na lista das empresas municipais com os melhores resultados económicos, com resultados líquidos positivos. Em 2013, o resultado líquido foi igualmente positivo nesses anos, a governação foi do PSD.

Por sua vez em 2016 e 2017 a Frente MarFunchal constava na lista das entidades com os piores resultados líquidos. No final de 2018 (últimas contas publicadas) a empresa permanecia em situação de falência técnica com capital próprio negativo. Nestes anos, a governação foi do PS. É este o rigor, é esta a boa gestão financeira, que tanto apregoam, tanto falam, tanto afirmaram publicamente, mas que leva empresas à falência e coloca em risco o futuro da maioria dos 116 colaboradores e as suas famílias, com exceção de alguns protegidos que já se encontram bem acomodados.

Termino deixando uma palavra de apreço e reconhecimento para aqueles que diariamente davam o seu melhor para prestar um serviço de qualidade nos complexos balneares, nos parquímetros e parques, bem como em todas as outras funções da Frente MarFunchal e que não mereciam este triste desfecho.