Energias renováveis

O sol, a chuva, o vento e as ondas do mar, além de elementos da natureza, proporcionam-nos formas de obter energia.

Painéis solares fotovoltaicos, turbinas eólicas e barragens, “trabalham” na captação de energia e transformam-na no tipo de energia que necessitamos para o nosso dia-a-dia. O sol ilumina a escuridão e aquece o nosso ambiente. O vento faz as ondas do mar serem mais poderosas e assim conduzir à produção de mais energia elétrica. A chuva junta-se às barragens oferecendo-nos abastecimento de água, regularização de caudais e energia elétrica.

O Homem tem-se dedicado ao aproveitamento dos recursos da natureza e cada vez mais trabalha no sentido da sustentabilidade.

As alterações climáticas permitiram ao Homem recorrer a outras fontes, capazes de potenciar o seu bem-estar, embora nem sempre as saiba utilizar da melhor maneira.

A Austrália é engolida pelo fogo, as Filipinas devastadas pelo vento, a Indonésia varrida pelas ondas do mar e Espanha colhida pela chuva. São as alterações climáticas, é o aquecimento global, são algumas manobras da mão do Homem.

As energias renováveis são terramotos de competição na mão dos homens que não sabem que podem aumentar os selos de certificação, a produção, o marketing, a indústria, mas… só ficam no mercado os melhores, só avança quem se dedica ao aproveitamento que a natureza dá. É uma aposta no futuro, um horizonte que se avista à velocidade de cruzeiro. O tempo urge e com ele a mudança interior.

De uma leitura que efetuei e segundo os dados recolhidos pela Eurostat, Portugal é o 8º país da União Europeia que consome mais energia renovável e as perspetivas para 2020 são muito mais favoráveis. Será um excelente ano 2020, dizem os especialistas na área e até a astrologia está a nosso favor! Ora, na China celebra-se o ano do rato, um ano de abundância, na numerologia é o ano 4, ano do sol, da segurança, da estabilidade, do foco e assim são as energias. Renovam-se. As promessas de Ano Novo e as mudanças que pretendemos são energias, é importante por isso ter atenção ao que pensamos e não permanecer no mesmo padrão de pensamento. Falamos então em renovar energias ou energias renováveis? Tudo ao nosso redor é constituído de energia, nós somos energia e para as renovarmos necessitamos de fazer algo, exercício físico, apanhar sol, banhos no mar, estar em contacto com a natureza, escutar o silêncio, sentir gratidão pela vida… contudo no que respeita às energias renováveis que vêm dos recursos naturais, até chegarem ao Homem, é imperativo que sofram também algumas transformações, por isso torna-se necessário uma força criadora para construir painéis fotovoltaicos, turbinas, barragens...

Já que estamos a falar de renovar energias e de energias renováveis, podemos juntar as duas e pedir que o vento leve para bem longe o que nos intoxica a alma, que o fogo unido com a força do vento engula o que não serve mais, que a chuva tocada pelo vento limpe as cinzas deixadas pelo fogo sem rasto e que as ondas do mar nos purifiquem e permitam RENOVAR as energias. Que FIQUE apenas o que é verdadeiro, o que existe dentro de cada um de nós e que as cores mais vivas do arco iris sobressaiam quando o sol romper a chuva, cruzar o vento, rasgar as chamas do fogo e navegar nas ondas do mar.

O Homem ambiciona ver o seu nome espalhado nos telhados da cidade através dos painéis solares, onde o sol, a chuva, o vento e as ondas do mar não o derrubam. Esquece que a sua energia fervilha no lugar mais poderoso do mundo, dentro de sí mesmo. Esquece de olhar pela janela e ver que o jardim que construiu foi destruído por ele mesmo. Esquece as promessas confiadas, os projetos prometidos, as escolhas em silêncio porque se sente pressionado. Esquece… apenas isso. Esquece que é o Homem que tem de renovar as energias: as SUAS.