A ver se pega

Na semana que passou, depois de apresentado o Orçamento de Estado para 2020, o documento foi comentado pelos partidos da Região.

A posição expressa pelo líder parlamentar do PS/Madeira foi a de que tudo eram maravilhas.

No entusiasmo de enaltecer o que para si eram boas medidas para este território, disse o seguinte: “O Governo da República mantém também a verba disponível para reforço dos meios de combate a incêndios e de apoio às populações na Região Autónoma da Madeira. Esta garantia dada pela República garante maior segurança da população madeirense, em especial, na época de Verão, período mais propício a incêndios”. Esta citação corresponde ao que está no DN de dia 8 de Janeiro de 2020.

Dando seguimento a um estilo que foi inaugurado pelo seu discípulo Paulo, o deputado Iglésias, que lidera a bancada parlamentar, leu no Orçamento de Estado (artigo 146º) que Lisboa diz que apoia meios de combate a incêndio e até “incluindo a utilização de meios aéreos” e tenta repetir isso nas suas declarações a ver se nos engana.

Se fosse sério, lembrar-se-ia de que desde que o helicóptero veio para a Madeira nos meses de Verão, temos sido nós, com os nossos impostos, a suportar os custos desse equipamento, das equipas helitransportadas especializadas que operam o equipamento e também da sua formação e despesas conexas.

Foram os Madeirenses que pagaram tudo isso ao longo destes anos.

Assim, não podemos deixar de denunciar estas tentativas de aldrabar a opinião pública, de forma descarada e sem vergonha.

Mas não! Não é verdade que António Costa tenha apoiado a Madeira com a utilização de meios aéreos.

Sim! É verdade que colocaram o texto que está na proposta de Orçamento para 2020, também nos Orçamentos de 2018 e 2019 mas isso não passou de poeira (mais uma vez) para os nossos olhos.

No fim de cada ano, quem pagou o helicóptero foram os próprios madeirenses!

Falando de outros meios de combate a incêndio e de socorro às populações, nos últimos 4 anos foram investidos 5 milhões de euros – mas não pelo Orçamento de Estado.

O dinheiro não pode dar para tudo!

Mas vai dar para continuar a colocar nos bancos. O Estado vendeu 75% do Novo Banco, com o propósito de nos livrarmos dele, mas continua a injetar nesse mesmo banco milhões. Para 2020 António Costa guarda mais 600 Milhões de euros do Orçamento, o que somará um total de mais de 2 Mil Milhões.