Black Friday

Há muitas teorias sobre a origem da designação 'Black Friday'. Diz quem sabe, que tudo começou com o 'Dia de Ação de Graças' americano. Todos os anos, na sexta-feira a seguir ao 'Dia de Ação de Graças', milhares de consumidores de todo o mundo vão aos saldos da 'Black Friday'. A 'sexta-feira negra' é, portanto, uma espécie de abertura oficial da época das compras de Natal – para uns o dia mais negro do ano, para outros, uma oportunidade de negócio.

Diz-se que surgiu pela primeira vez na Filadélfia, e que se tornou 'negra' à custa do trânsito caótico que se gerava no dia seguinte ao 'Dia de Ação de Graças' – dias verdadeiramente negros para os polícias de trânsito.

Também há quem defenda que, afinal, tudo começou em setembro de 1869, nos Estados Unidos, à custa da crise do ouro. Consta que, nessa altura, Jay Gould e James Fisk tentaram dominar o mercado do ouro na Bolsa de Nova Iorque. Sabendo que as consequências desta tentativa seriam devastadoras para o mercado, o governo americano procurou amenizar esta polémica aumentando a oferta do ouro no mercado. Os preços caíram vertiginosamente e os investidores acabaram por perder fortunas. Foi uma verdadeira 'sexta-feira negra' – se esta história for verídica, compreende-se de onde surge a tão conhecida 'terça-feira negra' do Crash de 1929.

Haverá, ainda, quem defenda que todo este fenómeno começou quando Abraham Lincoln definiu a data da celebração do 'Dia de Ação de Graças' na última quinta-feira de novembro – gesto que daria início ao período 'oficial' de compras de Natal. Acontece que em 1939, a última quinta-feira do mês calhou no último dia de novembro. Reza a história que os comerciantes ficaram muito preocupados e apreensivos com o curto período de tempo definido para as festividades e enviaram uma petição a F. Roosevelt, pedindo-lhe que declarasse o início das festividades uma semana mais cedo. Franklin Roosevelt anuiu – durante alguns anos, o 'Thanksgiving' chegou mesmo a ser chamado de 'Franskgiving'.

Mas não nos fiquemos pelos Estados Unidos da América. No México, por exemplo, a 'Black Friday' tem outro nome: 'El Buen Fin' (que significa, para os mexicanos, o bom fim-de-semana, referindo-se à quantidade de dinheiro que circula no país nesta altura). Esta tradição mexicana está associada à celebração da revolução de 1910 e, em alguns anos, coincide com a data do 'Dia de Ação de Graças' dos Estados Unidos.

Em Portugal, a tradição é bem-vinda – todos os portugueses adoram um grande desconto, independentemente de como lhe chamem hoje em dia.

Não deixa que ser curioso que a 'Black Friday', uma tradição tão americana, tenha conseguido alcançar aquilo que no início do século XXI ainda se estudava como 'o impacto da globalização da internet'.

Tudo isto para dizer que a 'Black Friday', seja na Madeira ou em qualquer outra parte do mundo, deve servir para todos percebermos que, no mundo dos negócios, a evolução é contínua e é inevitável que os pequenos comerciantes tenham que apostar num rebranding capaz de sobreviver ao fenómeno das modas, das grandes marcas e do 'tudo à distância de um clique'.

Posto isto, e independentemente de qual destas seja a verdadeira história por detrás da 'Black Friday, está aberta a época de compras de Natal, portanto, se puder, aproveite!