Caro Portugal

Como muitos já devem ter notado no dia 3 de novembro, saiu num site de um jornal de renome, a nível nacional, um artigo onde um jovem de 17 anos, escrevia uma carta ao seu país. Para mim a carta é tudo, menos um exemplo dos jovens portugueses. Por isso decidi, também, fazer uma carta aberta ao meu país. Como é óbvio, eu não nasci num berço de ouro, por isso a minha carta não terá tanto impacto.

Caro Portugal,

Começo por me apresentar, sou um jovem de dezassete anos e vivo numa das tuas Regiões Autónomas e pretendo continuar a desenhar o meu futuro cá, por favor dá-me a liberdade de me tratar por tu, visto que foi sempre cá que vivi e só a ti te conheço tão profundamente.

Ultimamente tenho visto muitas “referências” da nossa sociedade a exprimir opiniões sobre ti. Dizem que estás envelhecido, que já não és tão grandioso como outrora e que afastas os jovens.

A verdade, é que não estou de acordo com essas opiniões. Não acho que estejas datado, nem que nos queiras afastar. Acho sim, que tens tido uma tremenda dificuldade em mostrares aos jovens o quão grandioso continuas a ser e as oportunidades que tens para lhes dar.

Acho que sempre perdemos demasiado tempo a estudar os teus feitos gloriosos. Sim, a verdade é que já fomos os maiores do mundo, mas a realidade é que já não o somos. Mas mesmo assim continuamos presos a esse passado. Passado esse, que nos tem limitado as perspectivas de futuro. Não acho que devemos nos glorificar com algo que se passou à mais de meio milénio. Somos portugueses, devemos ter orgulho nos nossos antepassados, mas não viver presos aos seus feitos e glórias. Temos de ser os novos autores da história que será ensinada aos futuros portugueses.

Mas a verdade, Portugal, és bem maior do que profetizam. Somos reconhecidos diariamente: no desporto, na ciência, na medicina e até na política. Hoje, por ti , existem portugueses que ocupam lugares de reconhecimento mundial, assim reconhecidos pelo o trabalho bem feito por cá.

Para além do mais, tens sido capaz de sustentar uma democracia durante 45 anos, sempre com a mesma base em que esta foi reconstruída. Talvez estejas a falhar nos teus governantes, mas não te sintas culpado, quem os elegeu fomos nós.

É claro que atualmente não estamos em alta, existem grandes falhas em diferentes sectores como por exemplo na saúde, na justiça e, a que mais me entristece, na educação. Mas a verdade é que não estou aqui para criticar o trabalho, do Governo, ou falta do mesmo, pois já é facto constatado que este e o anterior Governo, falharam para com os seus eleitores. Mas não é por isso que te escrevo hoje.

Mas o que me faz acreditar num futuro melhor é a minha geração, uma geração menos conservadora e com um pensamento mais laico, capaz de aceitar um país mais liberal e mais global. Portugal mais aberto ao mundo, capaz de aceitar e ser aceite.

Para concluir quero que saibas, que por ti Portugal, eu e muitos jovens, estamos prontos para pôr mãos á obra.

Obrigado Portugal.