O meu filho desperta a criança que há em mim!

Nos últimos quase 4 anos, a minha vida social mudou drasticamente. O que quero com isto dizer é que agora a minha vida social rege-se pelo meu maravilhoso filho.

As festas a que normalmente vou são festas de aniversário de crianças, que acabam no máximo às 18 horas ou às 13 horas. Ultimamente tento deixá-lo lá e ir dar uma volta, mas é necessário ir lá buscar… confesso que é muito divertido.

Já em casa, a diversão, ultimamente, resume-se ao Luccas Neto, ao Brancoala, no Youtube, vemos vídeos sem parar,  dos mesmos. Confesso que a nova casa do Brancoala no Estados Unidos é fantástica, eu sei… eu sei… não sabem do que estou falar… Mas é possível que brevemente descubram.

Além de ter que ler histórias, não para dormir, porque não é esse o hobby favorito, é necessário brincar com as Nerf’s. Vou explicar, a nossa casa transforma-se num espaço de combate, em que eu sou sempre o mau, muitas vezes, nem posso ter Nerf, em que tem de haver um som de fundo, normalmente o Luccas ou o Brancoala, igualmente a brincar com uma Nerf, e temos que tentar acertar com as “balas” de esponja. Ah… é verdade… A Nerf é uma espécie de arma que possui umas munições de esponja que saem com alguma pressão.

É claro que este é um dos momentos mais altos do meu dia… Brincar com as Nerf’s.

É verdade, também em relação à atividade física, resume-se à natação a que o levo, quando tenho disponibilidade. É verdade, quando se fala em autonomia é aqui que espero que ele encontre, pois também desejo atirar-me à água para poder praticar, acredito que nunca farei um Porto Santo até à Madeira, mas já ficaria contente fazer um Ponta Gorda até à prancha.

Outro grande momento na vida social é, sem dúvida, quando me sento a ir apoiar o Marítimo no nosso estádio e ver algum jogo de futebol, já o tentei levar, confesso, mas ele fica preocupado quando os jogadores caem e diz: “eles fizeram um doidoi grande!” e quer sair ao intervalo.

É verdade, recentemente, fomos ao cinema, fomos assistir ao Rei Leão. Foi a primeira vez dele, e a minha primeira vez no cinema, nos últimos 4 anos… Ele a meio já estava algo cansado, até que, finalmente, apareceu o Timon e o Pumba, aí tornou-se tudo mais divertido e no fim chorava revoltado, pois o filme tinha acabado e queria mais. Quem é que o entende?

E praia? É verdade, a praia, é tudo muito fantástico! Com exceção da entrada na água, pois a mesma está fria. E que tal a água estar mais quente, só para agradar-lhe? Boa?

Ah é verdade… E aquelas aplicações que colocam máscaras e fazem efeitos na nossa imagem?  Essa é, sem dúvida, uma diversão sem paralelo, pois há numa dessas miscelâneas de apps em que eu fico com a cara dele e ele com a minha… É uma comédia!

Uma coisa é certa, estes e outros tantos momentos que eu, ele e a minha esposa temos e estamos juntos  são dos melhores investidos, o investimento não é essencialmente nele, mas é fundamentalmente em mim, na aprendizagem, na alegria que levo em mim. Ele era algo que faltava em mim e eu não sabia que faltava… Ah também, é claro, brincar com as Nerf’s. Ah é verdade: o meu filho desperta a criança que há em mim! E cuida-a bem.

Post Scriptum: Aguardo ansiosamente que ele possa começar a jogar Playstation.