"À noite todos os gastos são pardos!"

Em tempo de eleições, os Socialistas são como os gatos de rua, que durante a noite parecem todos Ofélia da mesma cor, só se vê os olhos ou os dentes.

Os socialistas hoje, imitam aquele chavão que Salazar utilizava que o país tinha os cofres cheios de ouro, mas por outro lado os portugueses vivam na miséria, na fome, e numa pobreza profunda, hoje Costa utiliza a mesma fórmula, mostra à Europa, as contas certas, apesar de hoje como nunca os principais serviços públicos estejam paralisados e na falência, como é o caso mais notório e visível do sistema nacional de saúde.

Os Socialistas têm levado a cabo nos últimos 4 anos, uma política de Bipolaridade, com uma cara para a Europa e uma outra para os portugueses. A nível externo, mostram as contas certas, o défice reduzido, mas estes números, são obtidos à custa de uma elevada receita de impostos, como nunca antes visto no nosso país, e com o uma dívida pública gigantesca e que não para de aumentar, Costa é um ilusionista da política, cria a ilusão que devolve rendimentos às famílias, mas ao mesmo tempo retira lentamente, nos vários impostos e taxas, muito, mas mesmo muito mais do que vai devolvendo. Por outro lado este bom desempenho do défice só é conseguido, pela falta de investimento público, e por isso hoje temos a falência dos principais serviços do estado, onde para se renovar um simples cartão de cidadão temos que chegar às 3 da manhã para garantirmos uma senha para podermos ser atendidos, temos a falência do nosso sistema nacional de saúde, temos os transportes paralisados, pois as locomotivas não têm motor para andarem, é esta falta de investimento público que está a permitir a Costa e aos socialistas mostrarem um Portugal na Europa, que é só uma bonita foto, das mais belas paisagens do nosso lindo Portugal, mas na verdade, a bonita foto, esconde, a realidade de um país que é mais que um défice reduzido.

As eleições regionais e nacionais, estão já à porta, e no caso das regionais de 22 setembro para a Madeira, temos que ter a perfeita noção do que está em jogo. De um lado temos o PSD, o partido que tem levado a Madeira ao desenvolvimento há já mais de 40 anos, é inegável, esse bom trabalho, a Madeira é hoje uma região desenvolvida, onde a qualidade de vida é notável, é uma região exemplo em muitas matérias, e nestes últimos 4 anos a Madeira após um período difícil, de uma grande recessão económica e financeira, onde houve a necessidade de equilibrar as contas regionais, hoje podemos ver, que esse equilíbrio das contas regionais foi conseguido, e sem prejuízo para os madeirenses, pois as contas estão equilibradas, a região apresenta superavit, mas os impostos para as empresas e famílias foram reduzidos, o investimento público cresceu, houve criação de mais emprego, e uma diminuição do desemprego, conseguiram-se grandes acordos para os professores, para os enfermeiros, para os técnicos de diagnóstico e terapêuticas, e tudo isto foi conseguido, numa paz social, onde o equilíbrio das contas públicas andou de mãos dadas com o investimento e desenvolvimento da região.

Tem sido este win-win entre o Governo Regional, as empresas, as famílias, e a sociedade civil, que tem permitido viver num ambiente de estabilidade e de segurança. Por isso, “no dia D”, a 22 de Setembro o que temos que refletir, pensar e distinguir, é que de um lado está o PSD, com provas dadas, que cumpre com o seu programa de governo, que consegue gerar equilíbrios, estabilidade política, desenvolvimento, e do outro lado estarão os Socialistas da Madeira, mandados pelo Costa, que vai aplicar na Madeira a sua política de empobrecimento que temos assistido no país.

O que os Madeirenses precisam é de assegurar no dia D, a nossa identidade como Portugueses e a nossa Autonomia.

Precisamos garantir o futuro destes próximos 4 anos, e no contexto atual, essa ESTABILIDADE e SEGURANÇA só poderá ser dada por quem há 43 anos está no RUMO CERTO.