Simbora Marítimo!!

A última temporada foi, para ser simpático, um desperdício de recursos humanos, pois havia matéria-prima para vermos muito mais qualidade do que aquela que foi mostrada; do aumento da descrença dos adeptos, bem patente no distanciamento entre os sócios e a equipa e no agravamento da relação com direção do clube, um desgaste e uma gradual diminuição da afluência ao estádio perfeitamente evitáveis! Não há como esconder: foi uma classificação muito pobre, produto de uma época passada com o credo na boca. Foi, na gíria vinícola, uma má safra.
Desta vez, e no ano em que o Marítimo celebra a 40.ª presença no escalão máximo do futebol português, o caminho escolhido pela direção foi aparentemente o da certeza e da segurança. Desde logo na escolha do treinador. Nuno Manta Santos tem currículo feito ao serviço do Feirense, primeiro nas camadas jovens e nas últimas três épocas como treinador principal da equipa sénior. E se a memória não se limitar à que findou, é possível recordar uma equipa com enormes limitações em termos de qualidade individual, mas muito bem arrumada dentro de campo, com boas dinâmicas e a jogar um futebol muito interessante. Atrevo-me a dizer que, mesmo na temporada passada, praticou um futebol mais interessante que todo aquele que o Marítimo foi capaz de produzir no período Braga-Petit. Sendo um risco, julgo que será perfeitamente calculado, na senda do que foi Pedro Martins ou Daniel Ramos, e quero crer que valerá a pena.
Por outro lado, da equipa titular apenas se regista a saída do Joel, transitando os restantes para esta época. É certo que até 31 de agosto poderão existir algumas mexidas no plantel mas podemos dizer sem grandes dúvidas que o grosso da equipa está assegurado. As entradas foram cirúrgicas e, pelo que se pôde observar da pré-temporada, com qualidade para entrar diretamente no onze. O jovem central sérvio Kerkez, o franco Bambock e o brasileiro com nome de actor de acção, John Cley, são já apostas firmes. Depois há Erivaldo, Marcelinho, Luciano e principalmente o internacional japonês Daizen Maeda, que espreitam a titularidade, tudo boas dores de cabeça para o treinador. E não deixa de ser importante realçar que todos estes jogadores estão disponíveis e prontos para serem utilizados já hoje, frente ao Sporting, caso o treinador assim o entenda, o que é uma novidade face a anos transactos, onde a incerteza e a indefinição do plantel também tiveram os seus custos no resultado final.
Pelo que é com confiança que encaro esta primeira jornada e esta longa maratona que é o campeonato português. Com esperança e optimismo numa boa campanha. É certo que o adversário é duro e que vem traumatizado da sova que apanhou na supertaça. Não deixa porém de ter jogadores de muita qualidade que procurarão fazer esquecer rapidamente o desastre no Algarve. Porém caberá a este Marítimo assumir-se na partida, aproveitando algumas eventuais mazelas que o adversário poderá trazer, para tentar entrar com o pé direito nesta nova temporada. E caberá também aos adeptos fazer o nosso papel. Que é estar presente e no estádio apoiar e puxar em todos os momentos pelo nosso clube, o grande Marítimo. Reavivar o ‘Caldeirão’ em todo o seu esplendor e assim ajudar a garantir os 3 pontos, jornada após jornada.
Para memória são 40 as participações no principal escalão do futebol português. É o 10.º clube com mais presenças na principal liga portuguesa. É o 5.º com mais presenças consecutivas. É o MARÍTIMO!