Machico, bastião socialista?

Li, em primeira mão, no jornal nacional o Público, que o PS nacional vai fazer a sua rentrée política em Machico. Segundo aquele jornal, porque o PS deseja a “tal vitória que falta” nas regionais da Madeira e porque Machico é um bastião socialista no arquipélago. Nesta notícia, confirma-se a conhecida e assumida obsessão de António Costa por uma primeira vitória nesta região e comprova-se o equívoco, ou subjetividade de interpretação, na designação deste concelho como bastião socialista.
Diga-se desde logo que a população do concelho de Machico, apesar de algumas narrativas políticas tendenciosas, coadjuvadas pela comunicação social amiga, votou muito mais vezes no PSD do que no PS. Lembre-se que os socialistas ganharam a primeira vez neste concelho só nas autárquicas de 1993. O PS vai no seu quarto mandato autárquico (93, 97, 2013, 2017) enquanto o PSD já foi maioria no município durante sete mandatos (76, 79, 82, 85, 2001, 2005 e 2009). São 25 anos de maioria social-democrata contra apenas 14 anos socialistas, aos quais mesmo juntando o mandato da UDP, 1989,fica sempre aquém do tempo PSD, na autarquia. Além disso, o PS nunca ganhou no concelho para as eleições regionais. As vitórias foram sempre do PSD. Alberto João, apesar de toda a diabolização local, apenas perdeu algumas vezes a freguesia de Machico, nunca perdeu no concelho. Albuquerque, há quatro anos, também ganhou no município. Por isso se alguém quer apelidar Machico de bastião socialista é, com muito boa vontade, pela lógica do melhor dos piores. Isto é, Machico é onde o PS/Madeira, mesmo assim, teve melhores resultados. Não por ser uma terra de hegemonia socialista. Não é bastião um local onde se tem mais derrotas do que vitórias. Aqui o PSD ganhou muito mais vezes que o PS.
Ganhou, mandou e deixou obra feita. Ao contrário duma governação de palavras de circunstância que carateriza o PS. O cenário da festa/comício socialista é disso prova inequívoca. A Praça do Fórum, símbolo da revolução urbanística operada pelos políticos do PSD, vai ser o local escolhido pelo PS para um arraial típico madeirense bem ao estilo do PSD de Alberto João. O jornal chama o local de “Chão da Lagoa rosa”, o que só pode ser ironia. Ali mesmo ao lado do edifício cultural que nunca teve a aprovação socialista, como nunca tiveram as obras circundantes da promenade marítima, da praia de areia amarela e do porto de recreio, considerados aquando da sua construção de aterro destruidor da beleza natural da baía de Machico. Agora, talvez arrependidos, palco de todas as atividades camarárias e local predileto para as festas socialistas.
Vai ser um comes-e-bebes para rivalizar com o “Chão da Lagoa” e com os arraiais populares bem ao gosto do PSD. O que pensarão alguns crânios locais? O que pensarão aqueles que sempre verberaram contra o PSD que acusavam de querer comprar o voto dos machiquenses pela barriga? Será que agora também acham que o povo se vai deixar convencer por um copo de vinho e um porco no espeto? Ah sim, já me esquecia. É que o PS pode fazer a mesmíssima coisa que o PSD fazia mas tudo é dito por outras palavras, com mais literatura, mais poesia. É assim a esquerda. Será que esta festa/comício vai ser “Um momento puro e sublime de confraternização e exaltação dos ideais de Abril em defesa do oprimido mas insubmisso povo de Machico e da Madeira”? Deve ser isso. Só pode.