Guia político para o verão

Quem passar estes dias por livrarias há de reparar no amontoado de livros de viagens. Há o top de cidades, o top de países, entre outros, com os respectivos guias para passar umas férias de sonho no destino escolhido. Há os que, como eu, vão partir à aventura de sapatilhas nos pés e mochila às costas, e tentar percorrer 164 km em 7 dias e há os que vão tentar calcorrear o eleitorado madeirense em 42 dias com a promessa do paraíso na terra. E aqui é que a porca torce o rabo (peço, desde já desculpa, aos companheiros do PAN. Juro que adoro animais!). Como vender um destino que não existe? O tal paraíso da governação socialista? Aqui denota-se a clara necessidade de um livro de auto-ajuda, ou melhor de um guia de sobrevivência eleitoral. Tome nota.

1. Use e abuse da selfies. Aqui o cenário é secundário, o importante é apresentar o sorriso nº 125, que provoca uma chuva de corações no Instagram e estar bem colado ao eleitor. Se o eleitor ficar de olhos fechados também é irrelevante, sempre pode alegar ser da emoção.

2. Promova as boleias. Ande a cirandar com o seu carro pelas paragens de autocarro e passadeiras. Aborde uma transeunte, de preferência de idade avançada e proponha levá-la a dar uma voltinha. Pelo caminho ligue a máquina de filmar e grave a conversa agradável com a pendura encontrada.

3. Vá à missa todos os domingos e dias santos mesmo sendo ateu. A ideia é coleccionar o maior número de fotos com entidades eclesiásticas. Não esquecer que as que rendem mais pontos são as fotos com o Sr. Bispo e qualquer foto sacada na Ribeira Seca.

4. Tirar pelo menos uma foto por dia com um animal de estimação. Aqui não interessa ser cão ou gato. Prometa apoios sem fundo a instituições e associações da área, mesmo que, quando foi rei e senhor, tenha cortado todo e qualquer apoio à sociedade protectora dos animais mais antiga da Madeira.

5. Arregace as mangas e vá de sapatilhas para o poio. Nunca descurar a importância da agricultura na economia local mesmo que não faça ideia de como plantar uma alface.

6. Diga a plenos pulmões que não é de “encarneirar”. De seguida ligue aos senhores pastores e jure amor eterno aos carneiros e pastoreio na serra.

7. Dance, cante e tente tocar um instrumento.  Aconselha-se cautela neste aspecto sendo que a opção instrumental deverá recair sobre os ferrinhos ou o reco-reco.

8. Dê mostras da sua ecologia e arranje não uma mota, não um carro mas um autocarro de campanha. Diga que vai nesse autocarro até ao Porto Santo.
9. Procure sempre um holofote. Seja na praia seja num arraial, o que importa é aparecer.

10. Não há impossíveis. Tente vender essa ideia e peça a um amigo que pague a outro amigo que saiba cantar bem essa letra.