A natureza vivida pelos madeirenses no verão

O verão é a época que os madeirenses elegem para usufruir da natureza, quer seja no mar quer seja na serra. Alavancados por eventos como o Rali Vinho Madeira, a fruição da natureza, proporciona um maior conhecimento da nossa terra, mas sobre tudo uma maior consciencialização do valor do nosso património natural.
Muitas das atividades ligadas à natureza são maioritariamente realizadas por turistas. Mas são cada vez em maior número os madeirenses e portosantenses que usufruem nos seus tempos livres, quer da serra quer do mar. É, pois, importante que tenham também consciência do trabalho que o Governo Regional através do Instituto de Florestas e Conservação da Natureza (IFCN) fez e continua a fazer nestas áreas, proporcionando condições aos utilizadores deste espaço, numa máxima em que o investimento é precedido de planeamento. Assim sendo, nesta área, este Governo Regional:
• Disponibilizou à população a custos reduzidos (25 € dia), 7 casas em áreas protegidas.
• Procedeu à limpeza e manutenção de mais de 500 Km de caminhos florestais, permitindo o acesso de viaturas todo o terreno a muitos zonas antes inacessíveis. Neste momento procede-se à limpeza de mais 180 Km por todos os concelhos da RAM.
• Melhorou as condições de acesso e utilização de diversos Parques Florestais, com destaque para as Queimadas e Ribeiro Frio
• Beneficiou e está a beneficiar diversas zonas de lazer e de piquenique em espaço florestal em vários concelhos da região incluindo as Ilhas Desertas
• Concessionou diversas cafetarias e bares, em áreas protegidas, permitindo maior apoio aos seus utilizadores. 
• Melhorou e inovou os painéis informativos e reforçou a sinalética dos Percursos Pedestres Recomendados.
• Encontra-se em execução a limpeza dos principais caminhos pedestres e de BTT.
• Efetua obras de reparação nos percursos pedestres recomendado sempre que se justifique.
• Criou spots de mergulho com o afundamento da corveta General Pereira d'Eça no Porto Santo e a Afonso Cerqueira na Madeira. 
Estes são apenas alguns dos exemplos do trabalho do IFCN, sendo importante saber que existe investimento, existe manutenção e existe uma estratégia por parte do Governo Regional, e que os melhoramentos não surgem por obra do acaso como alguns possam querer fazer passar.
Obviamente nem tudo esta realizado e ainda há muito mais por realizar. Mas este é o caminho, um caminho de valorizar, melhorar dando condições aos utilizadores destes espaços na natureza. 
Fico, pois, satisfeito por ver tantas fotos partilhadas destes espaços com comentários positivos nas redes sociais, de experiências passadas, reconhecendo em parte o que de melhor as nossas ilhas possuem, e de forma indireta reconhecendo o trabalho de muitas pessoas que mantêm esses mesmos locais.
O trabalho do IFCN nesta área é importante não só para o turismo, mas também para os madeirenses e portosantenses. Muitas vezes o esforço e o trabalho para que questões que aparentam simples aconteçam é enorme. Há um trabalho imenso para, por exemplo, a água chegar à casa do Pico Ruivo ou em garantir todos os dias esses locais limpos. O esforço é acrescido na reparação de um varandim numa vereda a 2 horas de distancia do acesso automóvel mais perto, ou manter desobstruídas as veredas mais distantes através do corte da vegetação invasora. 
É este trabalho e esforço constante que contribui para que, principalmente no verão, estes locais possam ser visitáveis e que mantenham a qualidade que já nos habituaram.