Um bom lugar para estar

Dos que já fui o que mais gostei foi de San Sebastian, subir os Pirenéus e deparar-me com o mar cantábrico é das coisas mais bonitas que já vi; também gosto de monumentos, o que me ficou na retina, fica em Portugal, em Tomar, o convento de Cristo.

Prefiro as paisagens naturais, ainda me falta muito que ver, como também falta dinheiro e tempo.
Viajei durante dois anos, porque entretanto fiz o programa Erasmus em Valência, foi a época mais feliz da minha vida, isto é, retirando a infância em que tudo era bom. Conhecer novas gentes, novas culturas e novos sítios.
A Madeira faz 600 anos, é um sítio lindo, mas não para viver, porque é muito pequeno e pouco cosmopolita.
Chega a um ponto em que todos estão fartos de todos, e os sítios são todos iguais.
O que difere são as companhias e essas têm de ser interessantes, caso contrário o mundo é demasiado pequeno.
Se preferia ser um nómada, ou um viajante, penso que sim, nem imagino viajar pelo tempo, apenas no espaço.
Uma viagem interessante seria sempre, conhecer a Ásia, a Oceânia, e também a América do Sul, talvez passando pelos fiordes da Noruega.
O sítio mais bonito do Mundo deve ser a Nova Zelândia.
Quanto a viagens baratinhas e com muita história, seria uma experiência inolvidável, viajar até a Roménia, à Transilvânia, é uma viagem no tempo, em que passamos pela época medieval.
Deste artigo pode-se concluir que estou a precisar de férias, mas umas férias com sentido. Não tenho grande apetência por sítios exóticos de praia, já lá foi o tempo em que me bastava a praia.
Sair deste mundo para entrar noutro, leva sempre meses, o resto é turismo de ocasião.
Se estou bem na Madeira, claro que sim, tenho aqui as minhas raízes.
Quanto a um bom lugar para estar será sempre aquele em que nunca estivemos.
Como não poderia deixar de falar em política, termino dizendo que estamos numa fase de promessas, em que tudo é possível, numa fase de simpatia extrema.Mas importante mesmo é analisarmos os projectos, ver se são reais.
Para quem vive na Madeira, há a responsabilidade de não ser enganado, por utópicos, nem pelo maniqueísmo simplista de quem anda na política. Não se trata de uma luta entre o bem e o mal, estamos para além disso, trata-se de votar no melhor projecto/programa.
P.S.:
1 . Parabéns à Madeira pelos seus seiscentos anos
2. “É sempre melhor que quem nos incute medo tenha mais medo do que nós.”
Umberto Eco , “O Nome da Rosa”