Coisas que nunca mudam, incluindo os atropelos

Estranhamente tenho andado desinformado. Desliguei-me do mundo político, social e económico nos últimos dias, para não dizer semanas. A última vez que falei de algo minimamente interessante para a sociedade em termos político-sociais foi no rescaldo do Goucha ter entrevistado uma nazi-travestido, travestido porque apresentava-se camuflado, não sei e não quero saber se Mário Machado é fã ou não do transformismo.

Ando perdido no que concerne ao campo político regional, não sei quem é que anda a viajar com quem, quem vai apoiar quem, as traições políticas, os pontapés nas ideologias e atropelamentos institucionais. A ficha que me ligava a esse submundo parece que foi tirada da corrente e atualmente estou-me pouco importando com isso... Claro que não o suficiente para saber que estão todos solidários com o povo venezuelano, que o Cafôfo expôs uma bandeira venezuelana da tapar a fachada da Câmara Municipal num gesto inocente e espontâneo, não são todos os dias em que temos a oportunidade de içar alguma coisa, e que Albuquerque ou Calado, um dos dois, para ser sincero já não consigo distinguir onde começa um e acaba o outro, para os cinéfilos ou que simplesmente viram o MiB II – sim o primeiro é mais interessante e original mas não tem um extraterrestre a manobrar um “homem” -, é basicamente o que acho da dupla em cima mencionada essa cena; em nome do Governo Regional da Madeira vieram a público reconhecer o autoproclamado presidente da República Bolivariana da Venezuela, Juan Gaidó. Como é óbvio, após este reconhecimento Gaidó está à espera que a dupla mais letal da política desde dos tempos de Valentim Loureiro, digam o que disserem o major valia por dois, mande para o território venezuelano ajudas alimentares, monetárias e militares para a destituição de do usurpador do trono venezuelano, Nicolás Maduro. Paulo Cafôfo por seu turno quer que a Polícia Militar, perdão, Municipal entre mais depressa em funcionamento para se antecipar e enviar para lá a tão preciosa ajuda militar.

Por falar em polícia, o caro leitor tem reparado como anda bem deserta a nossa capital? Não de turistas ou de população a partir das 18 horas da tarde, mas de homens com farda? E eu a pensar que com a declaração que a região ao se declarar como destino “gay-friendly” iriamos ter mais homens fardados a patrulhar as ruas da cidade.

Mas há coisas que nunca mudam, não estou a falar do regresso dos que nunca foram do PSD-Madeira, o PCP continua com a sua defesa triste do regime venezuelano e com a patética crença que a Venezuela é último estado social decente, claro que continuam com o lado errado da cassete a tocar mas como disse, há coisas que nunca mudam.