Tudo Bons Rapazes

Desafio nº 1: Leia a seguinte transcrição:

“A prostituição é, na maioria dos casos, uma forma de exploração da mulher pelo homem, que é um reflexo da sociedade patriarcal em que vivemos, onde a mulher é vista em muitos dos casos como um objecto ou propriedade do homem.

Grande parte da violência doméstica que se pratica no nosso país é justificada pelo agressor como: “Se não és minha, não és de mais ninguém”. Um sentimento de propriedade de um ser humano sobre outro, que tem que ser combatido.

A prostituição tem assim um efeito negativo nos estereótipos acerca das mulheres, que são consideradas um objecto que pode ser usado e abusado pelos homens e a sua legalização ainda tornaria mais socialmente aceitável essa postura. […] A prostituição provoca o aumento das doenças sexualmente transmissíveis, que mais tarde ou mais cedo acabam por ser transportadas para o seio familiar. É assim, um caso de saúde pública. A legalização nunca será opção! O Estado de Direito não pode, em tempo algum, legalizar e normalizar a exploração e o crime.”

Subscreve o que acabou de ler? Sentir-se-ia inclinado a votar num partido que alegasse defender os princípios ali enunciados? Para a maior parte dos leitores, aposto que a resposta é SIM.

Desafio nº 2 – Leia as frases que se seguem:

a) “No seguimento das actividades de cariz social desenvolvidas […], hoje foi dia de visitar o centro de acolhimento temporário (CAT) “Renascer”; com a ajuda de simpatizantes […], reuniram-se diversos brinquedos, roupas e algum dinheiro.”;

b) “[Entregámos] à Fundação COI, que fez chegar todos estes brinquedos e bens aos diversos lares e centros de acolhimento. Para nós foi uma honra proporcionar um Natal, certamente mais feliz, às nossas crianças.”;

c) “[Distribuímos]centenas de peças de roupa e agasalhos, às dezenas de sem-abrigo que são semanalmente apoiados pela associação UHPO.”;

d) “[Doámos] 100kg de ração a um projeto de ajuda animal no Porto.”;

e) “[Recolhemos] cerca de 400kg e uns biscoitos, para serem entregues à APA. O cão que aparece na imagem é o Turco e está para adopção!! Agradecemos a todos os que colaboraram nesta campanha.”

Sabendo que foram todas desenvolvidas pelo mesmo movimento de cidadãos, seria capaz de partilhar nas redes sociais estas boas acções? Aceitaria integrar este grupo ou estaria disposto a contribuir com a sua assinatura para que o mesmo se constituísse como partido político? Para uma fatia substancial de leitores, aposto que a resposta é SIM.

Sucede que estes bons princípios e notáveis valores, tal como as dedicadas acções de voluntariado, têm um denominador comum: foram divulgados no blog da Nova Ordem Social, tendo como rosto o seu fundador e principal activista Mário Machado.

Esse mesmo, o que muito boa gente achou que a TVI fez bem em convidar para um programa de entretenimento matinal. O tal que passou 12 anos preso, mas como já cumpriu a pena, pode e deve ter o direito a partilhar com “os portugueses” que precisamos de dois ou três Salazares. Porquê? Porque a extrema-esquerda também tem tempo de antena, porque o Camilo Mortágua também vai à televisão, porque a liberdade de expressão está acima de tudo, porque a nossa Constituição ainda tem resquícios dos excessos revolucionários de Abril, porque o tipo é um “marronco”, incapaz de articular ideias e de representar uma ameaça…

Li e ouvi por aí todos estes argumentos (e muitos outros). Reconheço que alguns deles são pertinentes, mas não me convencem.

Este indivíduo e os seus seguidores continuam a ser racistas, xenófobos e homofóbicos (para além de violentos e intolerantes). Podem esconder as suásticas e vestir-se de Pai Natal; podem substituir as botas cardadas por pezinhos de lã; podem descontinuar os casacos de couro e apresentar-se como meninos de coro… continuo a achar que não se deve branqueá-los, nem aproveitá-los como ferramenta para conquistar audiências.

É indecoroso e perigoso.

Mas enfim, o melhor é mesmo deixar andar… Afinal de contas, eles ajudam os pobrezinhos e são amiguinhos dos patudos, de certeza que são todos bons rapazes…