Polícia Judiciária efetua detenção por crime de incêndio florestal em Lisboa

A Polícia Judiciária, através da Diretoria de Lisboa e Vale do Tejo, identificou, localizou e deteve um homem, de 40 anos de idade, por fortes indícios da prática de quatro crimes de incêndio florestal.

A investigação apurou que o detido denota hábitos de alcoolismo e, sem motivo aparente, terá ateado fogo por várias vezes, a uma área de vegetação, composta por pasto, mato, arbustos, canaviais e arvoredo, numa zona vizinha de um bairro habitacional, onde vários prédios têm arvores de médio e grande porte encostadas, criando, deste modo, real perigo para todo esse património e para os seus residentes.

Os incêndios consumiram cerca de 1000 m2 e não tomaram proporções mais graves em virtude de terem sido detetados precocemente, tendo sido suscitada, de imediato, a intervenção rápida dos bombeiros que os vieram a extinguir.

Os fogos foram postos em três dias consecutivos, ao final da tarde, deixando os habitantes locais em compreensível sobressalto e receio.

O detido foi presente a primeiro interrogatório judicial, tendo ficado sujeito à medida de coação processual de prisão preventiva.