INEM abre inquérito interno após morte de Carlos Amaral Dias em ambulância

O Instituto Nacional de Emergência Médica (INEM) decidiu abrir um inquérito após morte de Carlos Amaral Dias numa ambulância, adiantou a entidade em comunicado.

"Na manhã de ontem [esta terça-feira], o Centro de Orientação de Doentes Urgentes (CODU) recebeu uma chamada encaminhada pela Central 112, com um pedido de socorro para um homem de 73 anos com queixas de dificuldade respiratória. Tendo em consideração os sinais e sintomas referidos pelo contactante e após realizar a respetiva triagem clínica, o CODU acionou imediatamente uma Ambulância de Socorro dos Bombeiros Voluntários (BV) do Beato", escreveu o Conselho Diretivo do INEM.

"Após análise da informação disponível relativamente a esta ocorrência, o Conselho Diretivo do INEM determinou a instauração, no imediato, de um processo de inquérito", pode ler-se.

Esta decisão surge depois de ter sido veiculado em alguma comunicação social que a morte do psicanalista ocorreu quase duas horas depois de este ter ligado para a linha de emergência médica.

Médico, psicanalista, professor universitário e autor, Carlos Amaral Dias era até há um mês o diretor do Instituto Superior Miguel Torga, cargo que abandonou nessa altura a seu pedido, depois de mais de duas décadas à frente da sua direção.