Português com cancro terminal está há meses sem sinais da doença

Cinco doentes oncológicos estão a ser tratados em Portugal com a técnica que foi premiada com o Nobel da Medicina no ano passado. Enquanto no Brasil, este método eliminou um cancro supostamente incurável em apenas 20 dias, em Portugal, há um doente com um linfoma terminal a ser tratado há quase três meses no IPO Porto, sem manifestar, durante esse período, qualquer sinal da doença, avança o Expresso.

O tratamento utiliza o próprio sistema imunitário do doente para destruir as células cancerígenas e o uso é somente aconselhado em adultos e leucemias até aos 25 anos.

O grupo de cinco pacientes que estão a ser tratados com esta terapia, inclui dois, no Porto, que não apresentam sinais de cancro. Outros três, aguaram – dois no Porto e um em Lisboa - pela produção do fármaco e ainda na capital portuguesa há um doente à espera de saber se pode ser submetido ao procedimento.

Apesar de os resultados evidenciarem uma diminuição do cancro em 80% dos doentes, após um mês de tratamento, havendo em 40% uma eliminação da doença, isto não significa que a mesma não poderá voltar a aparecer. É isso que alerta o oncologista do IPO-Lisboa, Nuno Miranda que sublinhou, segundo o SOL que a primeira doente a quem foi aplicado sem sucesso este tratamento no Porto, acabou por falecer.