Centeno apontado para liderar o FMI

O The Wall Street Journal escreve esta quarta-feira que Mário Centeno é um dos nomes apontados para substituir Lagarde na liderança do Fundo Monetário Internacional. De acordo com o jornal, há já uma lista de quatro candidatos que está a ser discutida entre os ministros das Finanças do G-7.

A lista, escreve o jornal, estará a ser avaliada por estes responsáveis que estão reunidos em Chantilly, França, para discutir temas como fiscalidade. Fará parte de um conversa à margem do encontro.

A lista com potenciais candidatos, adianta o Wall Street Journal, está neste momento reduzida a quatro nomes.

São eles Jeroen Dijsselbloem, antigo ministro holandês das Finanças e antigo presidente do Eurogrupo, o governador do banco central finlandês Olli Rehn, Nadia Calviño, ministra espanhola da Economia e Mário Centeno, ministro português das Finanças e o atual presidente do Eurogrupo.

Lagarde, que estava à frente do FMI, apresentou a demissão esta terça-feira para ocupar o cargo de presidente do Banco Central Europeu.

Apesar de a liderança do FMI poder ser assumida por um elemento de qualquer país, o presidente escolhido tem sido nos últimos 75 anos de origem europeia. Resultado, escreve o WSJ, de um acordo informal com Washington. Os europeus apoiam os EUA na escolha para o Banco Mundial, em troca a Casa Branca dá o aval a um nome europeu para o FMI.

Ainda de acordo com o WSJ, Dijsselbloem tem o apoio da França e Alemanha mas não é bem visto pelos países do Sul da Europa.

O governador do banco central finlandês, Olli Rehn, caso a hipótese Dijsselbloem não siga em frente, é visto também como um candidato que agrada à Alemanha.

Já Centeno teria o apoio dos países do Sul da Europa, tal como Nadia Calviño, que, escreve o jornal, tem a vantagem de ser a única mulher candidata.