Relação do Porto rejeita recurso de ex-futebolista do Canelas 2010 Marco Gonçalves

Lusa

O Tribunal da Relação do Porto negou provimento ao recurso interposto pelo ex-futebolista do Canelas 2010 Marco Gonçalves, condenado a 11 meses de prisão, com pena suspensa por dois anos sob condições, por agredir um árbitro.

Em nota publicada hoje no sítio oficial da Procuradoria-geral Distrital do Porto na Internet, é indicado que, por acórdão de 24 de maio de 2019, é confirmada “na íntegra a sentença do Tribunal Judicial da Comarca do Porto (Gondomar, juízo local criminal)”, proferida em 30 de novembro de 2018.

Marco Gonçalves, que agrediu José Rodrigues durante um jogo em Rio Tinto, do campeonato da principal divisão distrital da Associação de Futebol do Porto (AFP), depois de o árbitro o ter expulsado, foi condenado por um crime de ofensa à integridade física qualificada, na pena de 11 meses de prisão, suspensa por 24 meses, com regime de prova, sob condição de pagar ao ofendido, durante o prazo da suspensão, a quantia de 3.600 euros.

A juíza do processo, Alexandra Lopes, deu como provada a acusação de que o jogador – que, adicionalmente, foi proibido de frequentar estádios de futebol durante 11 meses - agarrou o árbitro pelo pescoço, puxou-lhe a cabeça e deu-lhe uma joelhada, atingindo-o na cara, especialmente no nariz.

Na altura dos factos, o jogador do Canelas foi suspenso por quatro anos e cinco meses pela Comissão de Disciplina da AFP.

O atleta teve de pagar uma indemnização ao árbitro de 4.125 euros e outra à AFP no correspondente a 20% daquele montante, enquanto o Canelas 2010 foi sancionado com a pena de derrota no jogo com o Rio Tinto, ao qual teve de pagar uma indemnização de 1.605 euros, a que acresceu um pagamento à AFP de 20% desse montante.