Homem julgado por violar rapariga e agredir duas mulheres e um bebé

Lusa

O Tribunal de Aveiro começou hoje a julgar à porta fechada um homem, de 34 anos, suspeito de ter violado uma adolescente e agredido um filho de 20 meses e duas mulheres, com quem teve relacionamentos amorosos.

O arguido, que se encontra em prisão preventiva, está acusado de 13 crimes de ameaça agravada, sequestro agravado, ofensa à integridade física, violência doméstica, violação, pornografia de menores, coação sexual na forma tentada e maus tratos.

O caso mais recente ocorreu em outubro de 2018, quando o arguido agrediu e sequestrou a ex-companheira, que se tinha separado dele há poucos meses, depois de ter sido espancada num café.

De acordo com a acusação do Ministério Público (MP), o suspeito abordou a ex-companheira à porta de um restaurante na Gafanha da Nazaré, em Ílhavo, e obrigou-a, sob ameaça de uma navalha, a entrar no seu carro.

Dentro da viatura, a vítima terá sido "violentamente agredida" e forçada a circular por diversas localidades de Ílhavo e Vagos.

A situação só terminou quando o autor se apercebeu que as autoridades estavam a tentar localizá-los, tendo-se dirigido, com a ofendida, a um posto da GNR.

O arguido é ainda acusado de ter agredido com um taco de basebol e uma navalha uma outra mulher com quem manteve um relacionamento amoroso sem coabitação entre junho e dezembro de 2015, chegando a ameaçar de morte a ofendida e o filho, após a separação.

A acusação do MP refere ainda que o arguido manteve relações sexuais consentidas com uma jovem de 17 anos que se encontrava institucionalizada, tendo-a ameaçado que faria mal à sua mãe e irmãos e divulgaria as fotos em nu integral que a mesma lhe enviou, quando esta tentou terminar a relação.

É ainda suspeito de ter espancado um filho de 20 meses, que estava à guarda da avó materna, durante um fim de semana que passou consigo.

Segundo a acusação, o bebé foi assistido nas urgências do hospital onde foram observadas mais de duas dezenas de hematomas.

O homem, que tem 10 filhos de várias mulheres, tem várias condenações por condução sem habilitação legal, detenção de arma proibida, injúria, ameaça agravada e resistência e coação.

Em dezembro de 2017 foi condenado a dois anos e meio de prisão suspensa por violência doméstica. No entanto, recorreu para a Relação que o absolveu do crime de violência doméstica e condenou a quatro meses de prisão, por ameaça agravada.