Agricultores alertam para problemas de água que poderão resolver-se no Tejo

Lusa

A Confederação dos Agricultores de Portugal alertou hoje para problemas de água nas regiões do Oeste, Ribatejo e Setúbal que poderiam resolver-se com o aproveitamento da do Tejo, mas o projeto ficou fora do Plano Nacional de Investimentos 2030.

“As regiões do Oeste, Ribatejo e Setúbal sofrem pela falta de acesso à água e isso constitui um problema”, afirmou à agência Lusa Eduardo Oliveira e Sousa, presidente da Confederação dos Agricultores de Portugal (CAP).

No Oeste, “a principal região produtora de frutas e hortícolas e um dos motores da exportação de produtos agrícolas”, o problema é ainda mais “premente, porque a água que existe já não é suficiente e é preciso garantir no futuro a continuidade da agricultura”.

Para a CAP, “é fundamental que o Governo olhe para estas regiões como sendo regiões a precisar de um projeto para garantir água à agricultura e pôr-se a engenharia a pensar no assunto e começar-se a ter decisões”, passem elas pelo ‘Projeto Tejo’, que prevê o aproveitamento de água do Rio Tejo, ou por outras soluções.

O presidente da CAP mostrou-se “preocupado” por o Projeto Tejo, estimado em 4,5 mil milhões de euros, não estar incluído no Plano Nacional de Investimentos (PNI) 2030, que foi hoje enviado ao Parlamento, considerando que “era necessário que o projeto estivesse nas intenções de investimento desde já”.

Fonte oficial do Ministério da Agricultura confirmou que o Projeto Tejo não está incluído no PNI2030, que destina 750 milhões de euros a projetos de regadio no país.

O ministro da Agricultura, Capoulas Santos, em declarações à Lusa, explicou que “não existe um projeto, mas uma ideia visionária de um projeto”, motivo pelo qual não o pode incluir nos investimentos a beneficiar dos próximos fundos comunitários “sem que seja estudado”.

Por outro lado, teria de ser decidido por todo o Governo por ser, “provavelmente, o maior projeto público que o país alguma vez fez”.

O governante admitiu que é “uma ideia positiva ao partir da sociedade civil, que revela grande apetência pelo investimento no regadio e uma forte crença no futuro da agricultura portuguesa”.

Nesse sentido, o Ministério da Agricultura “está a avaliá-lo tecnicamente e a proceder a estudos que permitam saber, em primeiro lugar, se há água” [no futuro] face às alterações climáticas e ao acordo com Espanha na gestão da bacia do Tejo, e depois “ver se o projeto tem viabilidade e os custos/benefícios”.

Os promotores do Projeto Tejo estão a trabalhar na constituição de uma associação para vir a juntar privados, organismos do Estado e municípios, a pensar numa futura “parceria público-privada” que possa assegurar o investimento para o projeto que, além de poder vir a vender água aos agricultores, tem a ambição de tornar o Tejo navegável para atrair os turistas que visitam Lisboa.

A EDP e empresas ligadas ao Tejo poderão vir a estar entre os “potenciais parceiros” do investimento.

O Projeto Tejo prevê regar com águas do rio Tejo 300 mil hectares de terrenos agrícolas, dos quais 240 mil no Ribatejo, 40 mil no Oeste 20 mil em Setúbal.