Adiada leitura do acórdão de universitário de Évora acusado de tráfico de droga

Lusa

O Tribunal de Évora adiou a leitura do acórdão do estudante acusado de vender droga no interior de uma residência universitária, que estava marcada para hoje, devido à baixa médica de uma juíza adjunta, revelaram fontes judiciais.

As mesmas fontes indicaram à agência Lusa que a leitura do acórdão do coletivo de juízes que julgou o caso tem como nova data o dia 08 de maio, às 09:30, no tribunal da cidade alentejana.

Acusado de um crime de tráfico de droga agravado, o jovem, que se encontra em prisão domiciliária, foi detido pela PSP, em junho de 2016, na sequência de uma busca ao seu quarto, na Residência Universitária António Gedeão, em Évora.

Segundo a acusação, o arguido, de 22 anos e residente no concelho de Almada, distrito de Setúbal, dedicava-se à venda de droga a estudantes universitários que viviam na residência, que se deslocavam ao seu quarto para efetuar as transações.

Durante a busca, realizada na manhã de 22 de junho do ano passado, refere o Ministério Público (MP), foram encontradas placas de canábis, que se encontravam distribuídas por gavetas da secretária e do armário e na varanda do quarto.

Na altura, de acordo com a acusação, a PSP apreendeu canábis suficiente para cerca de 700 doses individuais, além de centenas de euros em dinheiro, também distribuído por vários envelopes, uma balança e duas facas de cozinha com vestígios de droga.

Segundo o MP, o suspeito vendeu droga, no interior da residência universitária, a pelo menos cinco estudantes, em que o pagamento em dinheiro oscilava entre os 10 e os 35 euros, conforme a quantidade.

A acusação assinala ainda que o arguido aproveitava o contacto direto que podia estabelecer com os estudantes universitários que viviam na residência para lhes vender droga no interior do edifício.