Coletes Amarelos chegam a Portugal

O Movimento Coletes Amarelos Portugal teve origem nas redes sociais e agendou manifestações para esta sexta-feira, dia 21 de dezembro, em vários pontos do país.

O grupo, que se define como “pacífico apartidário, sem fins lucrativos”, publicou, nas redes sociais, o mapa que assinala os locais onde terão lugar as manifestações agendadas.

Subjacente às manifestações estará “a insatisfação com os variados problemas da atualidade do país”.

Da lista de reivindicações dos Coletes Amarelos Portugal constam a redução das taxas e impostos, o aumento "imediato" do salário mínimo nacional, a revisão dos valores do subsídio de desemprego, rendimento mínimo e rendimento de inserção, a diminuição das disparidades nas pensões de reforma, a adoção imediata de medidas efetivas de combate à corrupção no Governo, na administração pública, nos serviços públicos, bem como no setor empresarial e setor bancário.

O grupo quer também uma reforma no Serviço Nacional de Saúde, através do fim da "prática antagónica existente entre as necessidades do doente e os lucros da indústria farmacêutica, entre o valor de uso e o valor de troca dos medicamentos, face ao poder de compra dos portugueses", e a revitalização dos setores primário e secundário, "destruídos pela incompetência de sucessivos governos".

O ministro dos Negócios Estrangeiros alertou que a aludida manifestação deve respeitar a circulação de bens e a segurança das pessoas, prometendo combater as influências de extrema-direita, que têm vindo a ser associadas às manifestações dos Coletes Amarelos.

Por seu turno, a Polícia de Segurança Pública (PSP), irá montar um dispositivo de segurança para evitar quaisquer problemas na sua área de jurisdição. A PSP exortou os cidadãos a exercerem o seu direito de manifestação em respeito pela lei e de forma pacífica.