"Este ano foi um ano particularmente saboroso para Portugal"

Lusa

O primeiro-ministro considerou hoje, perante funcionários portuguesas das instituições em Bruxelas, que 2017 "foi um ano particularmente saboroso para Portugal" e ironizou com um dos momentos do ano, a eleição de Mário Centeno para a presidência do Eurogrupo.

Se nenhuma outra vantagem tiver, uma pelo menos seguramente [terá]: não teremos um presidente do Eurogrupo a ter uma visão idêntica à que o atual [Jeroen Dijsselbloem} tinha sobre os países do sul da Europa", disse, arrancando risos às muitas dezenas de pessoas presentes na receção natalícia oferecida pela representação permanente de Portugal junto da União Europeia (UE).

Na sua intervenção, António Costa recordou que se celebram agora 10 anos sobre a assinatura do Tratado de Lisboa, lembrou as presidências portuguesas da União Europeia, todas elas "marcantes", e defendeu que aquilo "que tem permitido sempre a Portugal afirmar-se", apesar de haver muitos Estados-membros com dimensão económica e política superior, "é nunca se ter conformado na sua posição, e pelo contrário, ter percebido sempre que tem de ser particularmente ativo".