Covid-19: Presidente da República diz que “a vida continua”, mas com juízo

Lusa

O Presidente da República defendeu hoje que “a vida continua” depois do período mais crítico da pandemia causada pelo novo coronavírus, exortando os portugueses a “terem juízo” e a cumprirem as regras sanitárias que “o convívio social impõe”.

“A vida continua. A vida continua. Continua naturalmente com atenção que sempre esteve presente na cabeça dos portugueses, atenção ao respeito das medidas sanitárias, mas a vida continua, a atividade económica continua, o comércio continua, a indústria continua, os serviços continuam, aquilo que é fundamental na vida das pessoas continua”, afirmou Marcelo Rebelo de Sousa, em Braga.

Para o chefe de Estado, o período de Natal e de Ano Novo que se aproxima “é muito importante” para os portugueses fazerem duas coisas: “A primeira é terem juízo naquilo que são as regras sanitárias que o convívio social impõe, mas não deixarem de acreditar naquilo que é fundamental, a vida continua, vai continuar até ao fim deste ano e vai continuar no ano que vem”, alertou.

Depois de condecorar a Associação Comercial de Braga com a Ordem de Mérito Comercial, Marcelo Rebelo de Sousa fez um passeio pelo centro histórico da cidade, durante o qual aproveitou para visitar o comércio tradicional e abastecer-se de meias, pijamas e camisolas interiores e reforçou a ideia de que a vida continua.

“Essa é uma mensagem fundamental e eu vi isso aqui hoje em Braga. Entrei nas lojas, a vida continuava, participei nas compras, a vida continuava (…) estamos já no tempo que é da passagem da pandemia na fase grave, que ultrapassámos, para a endemia e conviver com essa realidade, mas com recuperação económica, financeira e social”, disse.

Para Marcelo Rebelo de Sousa “as pessoas têm direito a apostar no futuro, os jovens têm direito a apostar no futuro as famílias a terem projeto de futuro, as comunidades locais a terem futuro, a não viver uma vida adiada”.

“Não vamos adiar a vida, vamos vivê-la com bom senso, mas num espírito que é um espírito de olhar para o futuro”, declarou.

PR aconselha "preocupação acrescida" com violência doméstica em tempo de covid-19

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, afirmou, em Braga, que, em tempos de crise pandémica, faz todo o sentido haver “uma preocupação acrescida” com o fenómeno da violência doméstica.

Marcelo Rebelo de Sousa lembrou que, em situações de crise, se agravam os problemas de saúde mental e “aumenta a violência”.

“Estamos todos preocupados, por uma razão muito simples, que toda a gente perceberá. Em situações de crise, aumenta a violência, não é a violência necessariamente nas ruas, mas é a violência psicológica”, referiu.

Sublinhou que as consequências da crise pandémica na “descompensação das pessoas” ainda não estão medidas, mas reiterou que nalguns casos se traduzem em violência doméstica.

“Portanto, tem toda a justificação, depois dos anos que vivemos, haver uma preocupação acrescida com a violência doméstica”, vincou.

Hoje celebra-se o Dia Internacional para a Eliminação da Violência contra as Mulheres.