Dióxido de enxofre de vulcão de La Palma atinge Península Ibérica - IPMA

Lusa

Uma nuvem de dióxido de enxofre emitido pela erupção do vulcão Cumbre Vieja, em La Palma, Espanha, atingiu a Península Ibérica e deverá estar na atmosfera até sexta-feira, segundo o Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA).

Usando previsões do modelo do Serviço de Monitorização Atmosférica do programa de observação por satélite europeu Copernicus, a “intrusão de dióxido de enxofre” está acima dos 3.000 metros de altitude, “não afetando por isso as concentrações deste gás à superfície”.

A concentração máxima do gás deverá atingir 46 microgramas por quilograma a 6.000 metros de altitude, prevê o instituto, que “acompanha de perto a evolução da situação”, segundo uma nota emitida na terça-feira.

Produto comum das erupções vulcânicas, o dióxido de enxofre costuma encontrar-se em concentrações pequenas na atmosfera. É tóxico quando inalado.

A lava do vulcão de La Palma, que entrou em erupção no dia 19 de setembro, ocupa atualmente 656 hectares e já afetou mais de 1.500 construções naquela ilha do aquipélago das Canárias, onde 20 terramotos foram registados nas últimas horas.

Segundo as medições do Copernicus, a lava ocupa 656 hectares e já afetou 1.541 construções, das quais 1.458 foram destruídas.