O Papa visitou no domingo passado um bairro problemático da periferia ocidental de Roma, o Corviale, onde respondeu a um grupo de crianças, uma das quais se emocionou ao perguntar se o seu pai, ateu, “estava no Céu”.

De acordo com a agência Ecclesia, Francisco abraçou e consolou a criança que começara a chorar por não conseguir fazer-lhe a questão, ao microfone.

“Ele chorava por causa do seu pai e teve a coragem de o fazer diante de nós, porque no seu coração há amor”, explicou depois, aos presentes.

O  pai  de  Emanuele,  apesar  de  ateu,  decidiu  batizar  os  seus  filhos.

“Deus tem um coração de pai e perante um pai, não-crente, que foi capaz de batizar os seus filhos, de dar-lhes estar coragem, pensais que Deus seria capaz de o deixar longe?”, questionou o Papa aos presentes.

“Se aquele homem era capaz de criar filhos assim, é verdade, ele era um bom homem. Ele era um bom homem. Aquele homem não tinha o dom da fé, ele não era crente, mas tinha batizado os seus filhos. Ele tinha um bom coração. E ele [Emanuele] tem a dúvida se o seu pai, por não ser crente, está no Céu. Quem diz que vai para o Céu é Deus, mas como é o coração de Deus diante de um pai assim?”

Segundo Francisco, Deus estará “orgulhoso” deste pai, porque “é mais fácil ser crente e batizar os filhos do que não ser crente e batizá-los”.

“Fala com o teu pai, reza ao teu pai”, disse Francisco ao pequeno Emanuele, com quem tinha antes conversado em voz baixa.