O quinto percurso guiado ‘Funchal a pé, ao pé da pele’, iniciativa da Porta33 integrada no projeto Ilhéstico’, realizou-se esta manhã, entre o largo da Cruz Vermelha e a rua da Carreira, passando pela rua das Mercês, rua de São Pedro e rua da Mouraria.

No final, a arquiteta paisagista Sara Costa, quem delineou e orientou os percursos, juntamente com a mediadora cultural Catarina Claro, explicou ao JM que vivemos, atualmente, numa “sociedade de massas em que a gratificação instantânea é obrigatória”, sendo que as pessoas “têm instantaneamente o produto final emocional ou físico”. É aí que surge o propósito destes percursos, que têm resultado num ‘feedback’ muito positivo: relembrar que “o percurso para o objeto final também é interessante”, e é também “uma maneira de sairmos da rotina acelerada e conseguirmos aproveitar o momento, observar a cidade e voltarmos a conectar-nos com ela”, referiu Sara Costa.

Saiba mais na edição impressa de amanhã do JM.