A mudança de sentido na Rua do Ribeirinho de Baixo, na sequência da obra que tornou a Rua Fernão de Ornelas pedonal, deu origem a uma praça de táxis em que os últimos da fila são, afinal, os primeiros.

Esta situação, que acontece junto ao Anadia Shopping, é invulgar e tem suscitado alguma controvérsia, entre taxistas, peões e outros condutores que são surpreendidos por táxis em marcha-atrás a quererem ocupar um lugar na fila.

Ou sejam, para ganharem esse lugar na fila, os taxistas têm de passar à frente de todos os que já lá estão. Se a praça está cheia, os que não conseguem lugar no espaço reservado para a praça, acabam por estacionar mais à frente, em cima do passeio, à espera que o último, que afinal é o que está há mais tempo no local, saia em serviço fazendo andar toda a fila em marcha-atrás.

Segundo um taxista ouvido pelo nosso Jornal, esta foi a solução encontrada para que o ‘primeiro’ táxi fique junto da saída do hipermercado, que é um dos mais concorridos da baixa citadina e, como tal, um bom local para o negócio.

Uma empresária com escritório num dos prédios da rua, manifestou-se indignada com esta situação, pelo facto dos táxis estacionarem em cima dos passeios, ainda que não sejam estes os únicos a procederem deste modo.

O passeio usado pelos taxistas para a espera coincide também com a saída do estacionamento subterrâneo e com a entrada e saída de mercadorias, algo que, de vez em quando, origina situações que afetam a circulação não só de viaturas, mas também de peões.

Por outro lado, o passeio em frente também costuma ser bloqueado, ao longo do dia, por viaturas em situação de espera, facto que já tem levado a referida empresária a protestar junto da polícia, por causa dos cidadãos apeados com problemas de mobilidade.